Olhar Jurídico

Terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Advogado pede interrogatório de cabo Gerson para comprovar grampos e anular operação

Da Redação - Arthur Santos da Silva

19 Jul 2019 - 10:20

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Advogado pede interrogatório de cabo Gerson para comprovar grampos e anular operação
O advogado Valber Melo apresentou requerimento na quinta-feira (18) perante a Sétima Vara Criminal de Cuiabá para que o cabo da Polícia Militar de Mato Grosso, Gerson Correia Junior, seja ouvido como testemunha em processo proveniente da Operação Metástase.
 
Leia também 
Juíza recebe ação e viúva de Julio Pinheiro 'herda' processo para restituir R$ 1,1 milhão


O objetivo é que o militar, réu no caso conhecido como Grampolândia Pantaneira, detalhe interceptações telefônicas ilegais feitas contra o ex-deputado e ex-presidente da Assembleia Legislativa (ALMT), Jose Riva, e seus familiares. Caso os grampos sejam comprovados, a operação pode ser anulada.
 
A Operação Metástase foi desencadeada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) em setembro de 2015. As investigações do Gaeco apontam que, no período entre 2010 e 2015, o ex-presidente da ALMT comandava um esquema que desviava verbas de suprimentos de fundos para o pagamento de suas próprias despesas, como o combustível de sua aeronave particular, pagamento de honorários advocatícios, entre outros. 
 
Além disso, conforme informações da denúncia, o ex-deputado teria usado parte do montante para a distribuição de “mimos” a amigos e parentes, como uísque, pagamento de festas de formatura, jantares e até mesmo massagistas.
 
No total, 24 pessoas foram denunciadas pelo MPE na Operação Metástase e seu desdobramento, a Célula-Mãe. Valber Melo atua na defesa de um servidor público acionado pelo órgão ministerial.
 
Gerson
 
O cabo Gerson afirmou em interrogatório na ação da Grampolândia que os promotores de Justiça Marco Aurélio e Samuel Frungilo ordenaram interceptações ilegais contra a atual deputada estadual Janaina Riva (MDB), filha de Jose Riva, durante a Operação Metástase.
 
A expectativa dos promotores, segundo Gerson, era obter informações sobre crimes inicialmente cometidos por Jose Riva. Os membros do MPE achavam que Janaina Riva daria continuidade aos atos criminosos.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • ronaldo
    22 Jul 2019 às 10:11

    Advogado fazendo o trabalho dele como qualquer outro profissional. Professor Valber sempre na frente dos outros, discreto, inteligente e estrategista. Vai acabar anulando todas essas operações

  • Ricardo Gomes
    19 Jul 2019 às 11:56

    Advogado do diabo. Embora esteja fazendo seu trabalho, recebe honorários frutos de roubos do erário. Em países sérios, só poderia agir se comprovasse primeiro a licitude do dinheiro quer está recebendo para defender esses párias. Fica fácil enriquecer advogando e recebendo com dinheiro roubado. Imoral....

  • Sinvaldo
    19 Jul 2019 às 11:01

    RIVA CONDENADO A MAIS DE 100 ANOS DE PRISÃO. QUANDO ESSE MELIANTE COMECARÁ A CUMPRIR SUA PENA NA PENITENCIÁRIA CENTRAL DO ESTADO, JUNTO A PRESOS COMUNS, TENDO EM VISTA QUE CELA ESPECIAL É SÓ NO CURSO DO PROCESSO. CADA DIA DE LIBERDADE DESSE MELIANTE E DO MELIANTE ÉDER MORAES, É UM TAPA NA CARA DO CIDADAO HONESTO QUE ACORDA CEDO TODOS OS DIAS PARA GANHAR 1 SALÁRIO MÍNIMO HONESTAMENTE.

Sitevip Internet