Olhar Jurídico

Quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Notícias / Geral

Família de Dallagnol possui latifúndios em Mato Grosso e recebeu R$ 36,9 milhões, diz revista

Da Redação - Arthur Santos da Silva

19 Jul 2019 - 17:06

Foto: reprodução

Família de Dallagnol possui latifúndios em Mato Grosso e recebeu R$ 36,9 milhões, diz revista
O site Diário do Centro do Mundo informou nesta sexta-feira (19) que a revista Carta Capital divulgará reportagem sobre procurador Deltan Dallagnol e as terras de sua família. Conforme informado, eles possuem latifúndios em Mato Grosso e ganharam R$ 36,9 milhões do Incra. A matéria é assinada por Leonardo Fuhrmann e Alceu Luís Castilho, do site De Olho Nos Ruralistas.

Confira parte do texto divulgado pelo site Diário do Centro do Mundo:
 
A história oficial do procurador Deltan Dallagnol destaca a participação dele e de seu pai, Agenor, na Igreja Batista. Procurador de Justiça aposentado do Paraná, Dallagnol pai é também o fio da meada de outro enredo da família: a participação em conflitos de terra, desmatamento, loteamentos ilegais e o pagamento de indenizações milionárias por desapropriações pelo Incra em dezembro de 2016, durante o governo de Michel Temer.
 
No início dos anos 80 do século passado, Sabino Dallagnol, avô de Deltan, e os filhos adquiriram terras no município de Nova Bandeirantes, noroeste de Mato Grosso. Como muitos gaúchos e paranaenses, aproveitaram o apoio da ditadura para comprar a preços módicos grandes extensões de terras na Amazônia Legal.
 
Agenor e Vilse Salete Martinazzo Dallagnol, mãe do procurador, adquiriram terras, mas continuaram no Paraná. Outros irmãos de Agenor, como Xavier Leonidas e Leonar, conhecido pelos moradores de Nova Bandeirantes como Tenente, mudaram para o município, a 980 quilômetros de Cuiabá e a 2,5 mil quilômetros de Pato Branco, onde, em 1980, nasceu Deltan. Sabino tornou-se nome de rua na cidade – endereço de uma corretora de imóveis da família.
 
Formado em Direito, assim como o irmão Agenor e depois o sobrinho Deltan, Xavier tornou-se o advogado dos negócios da família em Mato Grosso. Ele tem um escritório em Cuiabá, do qual é sócia a filha, Ninagin Prestes, também advogada. E irmã de Belchior Prestes. Os filhos igualmente se tornaram donos de terras na região. E, da mesma forma, protagonizam a disputa a envolver o Incra. A gleba Japuranã, em Nova Bandeirantes, é uma das regiões onde os Dallagnol têm terras. A família e outros proprietários ofereceram uma parte da área ao Incra, para receber sem-terra em regime de comodato, em meados dos anos 1990. Desde então, o clã e outros proprietários brigam na Justiça por indenização.
 
A pendenga também emperra a situação de quem vive nos 67 mil hectares da gleba. Atualmente, 425 famílias ainda lutam pela regularização de seus terrenos, cerca de metade dos moradores do local. Em dezembro de 2016, no primeiro ano do governo Temer, Ninagin Dallagnol – a prima, filha de Xavier – recebeu 17 milhões de reais como indenização pela desapropriação de suas terras. A indenização para Belchior, o irmão, foi de 9,5 milhões. A mãe dos filhos de Xavier, Maria das Graças Prestes, recebeu um valor mais modesto, 1,6 milhão. O próprio pai de Deltan, Agenor, foi indenizado na mesma liberação. Recebeu 8,8 milhões. No total, foram 36,9 milhões pagos à família.
 
Não é só na disputa com o Incra que os Dallagnol mostram a sua face de especuladores de terras. Xavier e o irmão Leonar, o Tenente, foram alvo de um inquérito em Nova Monte Verde, município próximo de Nova Bandeirantes, por loteamento ilegal de terras. Os dois foram beneficiados pela prescrição. Tenente chegou a receber o título de cidadão honorário de Nova Bandeirantes, oferecido pela Câmara Municipal diante de sua “bravura” e da condição de “ilustre colonizador” e “grande desbravador”. Tenente já foi acusado de invadir terras de outros proprietários no município, ao lado de personagens como Laerte de Tal, Pedro Doido e Nego Polaco.
 
Os dois irmãos, Xavier e Tenente, foram flagrados por desmatamento irregular. Tenente assinou um termo de ajustamento de conduta com o Ministério Público Estadual de Mato Grosso por degradação do meio ambiente em 2010. Xavier e a mulher, Maria das Graças, foram autuados pelo Ibama por desmatamento ilegal, ambos em 2017.
 
Como advogados, Xavier e a filha Ninagin atuam na defesa de grandes proprietários rurais envolvidos em grilagem, desmatamento e até trabalho escravo. “De Olho nos Ruralistas” contará essas e outras histórias nos próximos dias, em uma série sobre a família – em suas conexões com os temas agrários. As reportagens serão divulgadas, em primeira mão, no site de CartaCapital.
 
Deltan Dallagnol não quis se manifestar sobre o assunto, segundo a assessoria de imprensa do Ministério Público Federal no Paraná. Xavier Dallagnol, principal pivô das disputas em Mato Grosso, foi procurado em seu escritório, mas não atendeu aos pedidos de esclarecimento até o fechamento desta edição.

37 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • jose vitor pereira de castro
    24 Jul 2019 às 10:06

    Morei 12 anos em Cotriguaçu, municipio vizinho a Nova Bandeirantes e conheço a Gleba Japuranã. Nem sabia que era da familia Dallagnol... O que sei é que houve invasão a terras em Japuranã, tendo o INCRA intervindo para regularizar o assentamento e indenizar os proprietários, e que tal pendencia remonta de mais de 20 anos, e um dia, logicamente, iria ter um final... Se houveram pagamentos indenizatórios, certamente obedeceram a Lei com a expedição de precatórios... Ninguem conta as dificuldades que os colonizadores enfrentaram...........

  • Sandro
    22 Jul 2019 às 08:20

    Nos matogrossensses, tínhamos e de agradecer a vinda do pessoal do Sul do Brasil pra cá isso sim. Largar não de politicagem e ajudar o mato grosso a crescer mais.

  • Jorge1
    21 Jul 2019 às 15:32

    A reportagem, além de não abalar a honra do Procurador desconhece a história da Marcha para o Oeste, principalmente feita pelos desbravadores sulistas, que enfrentaram todo tipo de obstáculos, para buscar um futuro melhor. A história nos conta, que grande parte dos sulistas venderam suas terras, principalmente, no Paraná e no Rio Grande do Sul a preço de ouro e compraram extensas áreas no borrão de Mato Grosso, estas sem nenhuma infraestrutura. As conquistas precisaram de muita garra, paciência, e acima de tudo, muito trabalho somado à esperança por dias melhores.

  • Mari Enoi
    21 Jul 2019 às 08:05

    Ganharam na justiça: agora, isso também é ilegal, pra cabecinhas lambuzadas pela desordem, como quem chegou a essa conclusão? Por favor, vão se dar o respeito!

  • Eu quero
    20 Jul 2019 às 23:58

    Eu quero que o site veicule também matérias sobre o enriquecimento dos filhos do Lulaadrão. #lulanacadeia #euapoioalavajato

  • Rocha
    20 Jul 2019 às 22:19

    Taaaa e qual é a novidade ???

  • Edvaldo Nogueira
    20 Jul 2019 às 21:43

    A lei é pra todos se ele e a família dele cometeu crimes cadeia neles!!!!

  • Lindalva Campos
    20 Jul 2019 às 16:58

    Veja e suas mentiras. Dallagnol UM DOS NOSSOS HERÓIS da pátria

  • A Verdade Sufocada
    20 Jul 2019 às 15:43

    Meus parabéns a família Dallagnol, isso mostra a competência para investir e desbravar terras, isso mostra inteligência que os repórteres não tem pra sair uma coisa tão inútil quanto essa e quer tirar o Lula da cadeia a qualquer custo, tanto da DCM, quanto do Olhar direto.... Vão caçar o que fazer .....

  • joaoderondonopolis
    20 Jul 2019 às 15:20

    Não é proibido família de Procurador ter bens e também não é proibido Procurador ter bens. Parabéns Procurador pelo seu trabalho em defesa do país.

Sitevip Internet