Olhar Jurídico

Quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Notícias / Criminal

Juíza reconhece extradição, nega prescrição e mantém processo contra Arcanjo por lavagem de dinheiro

Da Redação - Arthur Santos da Silva

21 Jul 2019 - 17:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juíza reconhece extradição, nega prescrição e mantém processo contra Arcanjo por lavagem de dinheiro
A juíza Ana Cristina Mendes, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, negou declarar prescrita ação contra o bicheiro João Arcanjo Ribeiro pelo crime de peculato,  lavagem de dinheiro e associação criminosa. A decisão, em processo  proveniente da Operação Arca de Noé, é do dia 16 de julho. A magistrada também negou requerimento que buscava a desconsideração da decisão da Corte Suprema Uruguaia, autorizando a extensão da extradição do acusado.

Leia também 
Decisão que suspende processos com dados de Coaf defende todos os cidadãos, afirma Toffoli


Compulsando detidamente os autos, verifico que os pedidos formulados pela defesa do acusado não merecem acolhimento, uma vez que conforme explanado pela douta Promotora de Justiça a jurisprudência colacionada pela defesa, versa acerca de um pedido de extradição, em que o Brasil é o país julgador da extradição, já em relação ao presente caso, é sabido que o país julgador quanto ao pedido de extradição formulado é o Uruguai, não havendo assim liame entre o julgado informado e o presente caso.
 
Para negar a  prescrição, Ana Cristina comunicou não ter decorrido o prazo de 12 anos entre o recebimento da denúncia, decisão datada do dia 13 de agosto de 2010 e a presente data (decisão do dia 16 de julho de 2019).

A Operação Arca de Noé foi deflagrada em 2002 pela Polícia Federal e desmantelou sistema financeiro à margem do oficial liderado pelo ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro. O então criminoso contava com o auxílio de políticos como os ex-deputados José Riva e Humberto Bosaipo. O objetivo era desviar dinheiro público por meio de empresas fantasmas e depois lavara quantias nas factorings de Arcanjo.

Arcanjo está preso preventivamente desde 6 de junhho de 2019 em razão de mandado expedido na Operação Mantus, que combateu organizações criminosas atuantes no jogo do bicho. 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Patropi
    22 Jul 2019 às 09:54

    Por que os ex deputados não estão presos??

  • Valnice
    21 Jul 2019 às 21:35

    Lugar de bandido é na cadeia.

Sitevip Internet