Olhar Jurídico

Domingo, 25 de agosto de 2019

Notícias / Criminal

MT pagou R$ 14,71 milhões como ‘salário’ para servidores inativos e mortos, revela CGE

Da Redação - Arthur Santos da Silva

21 Jul 2019 - 15:10

Foto: Mayke Toscano/ Secom-MT

MT pagou R$ 14,71 milhões como ‘salário’ para servidores inativos e mortos, revela CGE
Entre 2008 e 2013, o Governo de Mato Grosso fez 1.205 depósitos referentes a salários para servidores inativos, aposentados ou mortos, num total de R$ 14,71 milhões. A auditoria, feita entre maio e junho de 2013, detectou que, em algumas situações, o salário continuou sendo pago até 20 meses após a morte do servidor ou beneficiário

Leia também 
Decisão que suspende processos com dados do Coaf defende todos os cidadãos, afirma Toffoli 


Os valores eram transferidos indevidamente para as contas bancárias destes servidores que já tinham morrido, conforme levantamento da Auditoria-Geral do Estado (AGE).

Embora a Controladoria Geral do Estado de Mato Grosso (CGE-MT), que neste mês de julho completou 40 anos de serviços prestados à administração estadual, tenha como principal vertente a prevenção, na última década o órgão desvendou vários casos de desvios de dinheiro público.

 
Histórico

A Controladoria Geral do Estado de Mato Grosso (CGE-MT) completou em julho 40 anos de serviços prestados à administração estadual, tendo como principal vertente a prevenção. Na última década o órgão desvendou vários casos de desvios de dinheiro público.

Um deles foi o caso conhecido como Rombo na Conta Única, que detectou um desvio de R$ 101 milhões, por meio do sistema BB PAG, do Banco do Brasil, entre 2003 e 2014. O esquema, em que servidores e terceirizados da Secretaria de Fazenda (Sefaz) forjavam pagamentos a funcionários e empresas fantasma embolsando o dinheiro, foi desarticulado pela Operação Vespeiro. No total, 41 pessoas físicas e 12 pessoas jurídicas receberam pagamentos irregulares.

Outro caso desvendado foi o escândalo das Cartas de Crédito, deflagrado, em 2011, com a Operação Cartas Marcadas, que causou um rombo aos cofres estaduais de quase R$ 500 milhões, por meio de pagamentos superfaturados. Na época, foram expedidos 14 mandados de busca e apreensão e seis de prisão temporária, em Mato Grosso e São Paulo.

A fraude originou no pagamento em certidões de créditos a um grupo de agentes da Administração Fazendária (AAFs), resultado de um acordo trabalhista entre Governo do Estado e a categoria, em 2008. Deveriam ser expedidas duas certidões de créditos, mas foram emitidas sete, das quais apenas três foram destinadas aos servidores. As quatro restantes foram retiradas na antiga Secretaria de Estado de Administração (SAD) por representantes legais constituídos pela categoria, sem que os verdadeiros beneficiários soubessem.

Já o “Escândalo dos Maquinários”, se refere a irregularidades em licitações realizadas em 2009. Foram feitos pregões para a compra de 705 máquinas pesadas, num total de R$ 241 milhões, que seriam distribuídas aos 141 municípios do Estado, pelo Programa “MT 100% Equipado”. O desvio foi de R$ 44 milhões, resultado de cobrança indevida do ICMS. Além disso, o Governo do Estado pagou à vista por uma compra a prazo, com juros. Onze pessoas foram indiciadas, entre elas dois ex-secretários de Estado.

Em novembro do ano passado, o juiz Marcos Faleiros, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, condenou 12 pessoas processadas no caso. A soma das penas imposta aos réus ultrapassa 70 anos de prisão. Os agentes públicos distribuíram a aquisição entre todas as concessionárias de caminhões/máquinas e revendedores instalados na grande Cuiabá para evitar resistências aos certames e garantir o pagamento da propina.

(Com informações da assessoria)

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Lucy Borges
    22 Jul 2019 às 11:37

    Alguém recebeu não é mesmo!?? É simples, Rastreia o dinheiro, encontra os envolvidos e cadeia neles! E isso só no MT, imagina o montante do país inteiro!!!? É inacreditável como a corrupção não acaba nunca nesse Brasil varonil!!!!

  • Pedro
    22 Jul 2019 às 08:23

    Identificar quem contribuiu para o Pagamento e abrir inquérito policial contra esses servidores. Dinheiro público não é dinheiro de ninguém, é dinheiro de todos, especialmente de quem trabalha e paga impostos. Também tem que ir atrás de quem sacou o dinheiro, abrir inquérito e fazer devolver. Se não for assim, daqui uns dias a história se repete.

  • OTAVIO
    22 Jul 2019 às 05:23

    se a controladoria fez todo esse levantamento de irregularidade permite concluir que ela não foi diligente o necessário para previnir pois tem o dever de acompanhar as contratações e pagamentos e que deve ser extinto o TCE

  • Jeves Bejame
    21 Jul 2019 às 23:23

    Uma controladoria geral que existe a 40 anos e não controlou fatos acontecidos na última década.

  • Jaqueline
    21 Jul 2019 às 21:31

    Aí, falta água nos ambulatórios públicos, teto cai na sala de atendimento médico, ar condicionado não funciona... esse é um pequeno retrato da realidade de todos os dias num serviço público estadual de média e alta complexidade em Cuiabá. Dinheiro para o essencial, que é a saúde, não tem verba.

  • Ademir
    21 Jul 2019 às 20:41

    Essa farra vem perdurando há tempos.

  • Kellen Sousa
    21 Jul 2019 às 20:04

    Enquanto isso, você, repito, você, pega ônibus, é explorado, vai se aposentar aos 80 anos e ganha salário mínimo. Vá para as ruas. #lulalivre #moropreso!

  • MT mais transparente
    21 Jul 2019 às 18:23

    Senhor controlador sugiro medida simples e eficiente como por exemplo o recadastramento biométrico, anualmente, realizar convênio com INSS e prefeitura municipais para realizar cruzamento de dados visando evitar acumulações de cargos e afastamento dúvidosos principalmente quando tem psiquiátrico onde tem criar mecanismos de suspensão temporária de dirigir e salarial

  • eleitor
    21 Jul 2019 às 16:39

    a unica coisa que queremos é providencias e com certeza esperamos providencias por parte de nossa autoridades e nossos representantes pois esperamos que a farra a facilidades e quem autorizou possa devolver aos cofres e paguem por estas mazelas ,estas sem segurança sem carros para nossos policiais ,estamos sem saude o povo precisando de atendimento educação sem qualidade exigimos que nossos representantes peça providencias e seja cortado e retirado e faça um limpa e que voltamos acreditar numa sociedade mais justa .

Sitevip Internet