Olhar Jurídico

Quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Notícias / Geral

MP afirma que recebe muitas denúncias sobre crianças venezuelanas em risco ‘usadas’ para sensibilizar população

Da Redação - Vinicius Mendes

23 Ago 2019 - 16:00

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

MP afirma que recebe muitas denúncias sobre crianças venezuelanas em risco ‘usadas’ para sensibilizar população
A promotora de Justiça Valnice Silva dos Santos, da Promotoria da Infância e Juventude de Cuiabá, convocou agentes da Rede de Proteção para uma reunião na última quinta-feira (22), após receber diversas denúncias sobre crianças venezuelanas que estão sendo expostas a situações de risco. Na ocasião foram definidos, em conjunto, três encaminhamentos, e a promotora ainda encaminhou um ofício aos Conselhos Tutelares sobre como proceder quando se depararem com este tipo de caso.
 
Leia mais:
Desembargador diz que 3.300 membros de facções criminosas estão presos em penitenciárias de MT
 
Quem transita pelas ruas de Cuiabá certamente já avistou famílias venezuelanas pedindo ajuda, dinheiro e emprego nos semáforos e rotatórias. Elas estão por todos os lugares, do centro às avenidas mais movimentadas. Crianças e até bebês expostos aos riscos das vias públicas, ao sol e calor excessivo, aliados à baixa umidade relativa do ar, à poluição, entre outros males.
 
Diante dessa realidade cada vez mais frequente e das dezenas de manifestações que chegaram à Promotoria da Infância e Juventude de Cuiabá, a promotora de Justiça Valnice Silva dos Santos convocou agentes da Rede de Proteção para uma reunião.
 
“A Promotoria tem recebido muitas denúncias em razão de famílias venezuelanas estarem pedindo ajuda nas vias públicas da Capital, ‘usando’ crianças e bebês para sensibilizar a população. Entendemos a situação dessas famílias, a saída do país de origem em busca de uma nova vida, mas não podemos fechar os olhos para a situação de risco à qual estão expondo os filhos”, explicou a promotora, dizendo que tem acionado quase que diariamente o Conselho Tutelar para verificar casos dessa natureza.
 
“Por isso marquei essa reunião com as instituições envolvidas, para verificarmos o que pode ser feito em relação a essas crianças, quais medidas podemos adotar em favor delas, para que sejam tiradas dessa situação de exposição e de perigo e sejam protegidas”, falou.
 
Para o coordenador-geral dos Conselhos Tutelares, Davino Arruda, “a situação é gritante”. “Diuturnamente nós, operadores do Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente, deparamos com crianças em situação de risco e vulnerabilidade nas esquinas, semáforos, rotatórias e isso é muito desumano para nossas crianças. Assumo como nossas porque, se migraram para cá e estão aqui, são nossas. Precisamos nos unir para efetivamente criar uma política pública emergencial visando atender essa demanda”, defendeu.
 
Após os participantes exporem suas visões e sugestões sobre o assunto, definiram em conjunto três encaminhamentos. O primeiro será a realização de uma ação emergencial conjunta entre Conselho Tutelar, secretarias municipais de Assistência Social e de Educação, para abordagem dessas famílias nas ruas de Cuiabá. A princípio essa atividade será realizada durante uma semana. Para acertar os detalhes da iniciativa uma nova reunião ficou agendada para segunda-feira (26), às 14h30.
 
O segundo ponto acordado foi a realização de um mutirão no Centro de Pastoral para Migrante, ainda sem data definida, para atendimento às centenas de imigrantes vindos da Venezuela, Haiti, Cuba, Senegal, entre outros países.
 
No mutirão serão oferecidos serviços como emissão de documentos e de carteira de trabalho, encaminhamento para vagas de empregos e escolas/creches, atendimentos psicossociais, médicos e odontológicos, e cadastramento em programas sociais. A terceira deliberação trata da construção, em parceria, de uma Política Migratória para Mato Grosso pelos agentes da Rede de Proteção.
 
Na avaliação da promotora de Justiça, a reunião foi bastante produtiva. “Tenho certeza que vamos conseguir fazer algo por essas crianças”, concluiu. Participaram do encontro: conselheiros tutelares, representantes da Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc), das secretarias municipais de Assistência Social e Desenvolvimento Humano (Smasdh), Educação (SME) e Saúde (SMS), do Centro de Pastoral para Migrante e da comunidade venezuelana.
 
Orientação
 
Além das deliberações na reunião, a Promotoria da Infância e Juventude de Cuiabá encaminhou, esta semana, um ofício circular para os Conselhos Tutelares. A promotora de Justiça Valnice dos Santos recomendou aos conselheiros que, ao se depararem ou receberem denúncias de crianças em situação de vulnerabilidade nas vias públicas, conversem com as famílias, orientem e apliquem as medidas protetivas que lhes competem.
 
Casa do Migrante
 
Conforme a coordenadora do Centro de Pastoral para Migrantes de Cuiabá (conhecida como Casa do Migrante), Eliana Vitaliano, a instituição já atendeu mais de 211 mil pessoas desde a sua fundação, em 1980, e o fluxo aumentou consideravelmente a partir de 2012 com a chegada dos primeiros haitianos. Ela explicou como os venezuelanos chegam até a capital mato-grossense, de maneira regulada pelo  programa de interiorização do Governo Federal ou informalmente.
 
“A demanda espontânea é maior que a do governo”, afirmou, informando que chega a mais de 700 venezuelanos, enquanto os regulados somam 267. Atualmente existem 100 vagas na casa e 118 pessoas morando lá. Eliana Vitaliano enfatizou que as famílias acolhidas na casa são orientadas a não irem com crianças para as ruas e que grande parte delas não está na Casa do Migrante.
 
Segundo a coordenadora, quando as famílias venezuelanas vão para as ruas dão  visibilidade ao fenômeno da migração e, ao mesmo tempo, utilizam das crianças para arrecadar dinheiro nas rotatórias, chegando a ganhar de R$ 600 a R$ 1 mil por dia.
 
“Estão competindo com vaga formal de trabalho”, afirmou. De acordo com a venezuelana Rosbelli Rojas, que está há mais de um ano em Cuiabá, pedir ajuda e até mesmo migrar não é da cultura venezuelana e sim consequência da crise social no país. “Cuiabá é muito acolhedora e nos sentimos bem aqui. Em Boa Vista e Pacaraima isso não existe”, declarou.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Raimundo
    24 Ago 2019 às 14:26

    Já não chega os nossos expostos, agora ainda somam os venezuelanos, é inaceitável, um erro não justifica outro, passou da hora de reprimir crianças, jovens, adultos em semáforos.

  • Jorgina
    24 Ago 2019 às 11:56

    Os de “bom “ coração podem levar os injustiçados para casa...

  • Lílian
    24 Ago 2019 às 11:54

    Precisa receber denúncia, pra agir? Em que planeta as autoridades competentes vivem?

  • Jorge1
    24 Ago 2019 às 08:57

    Parabéns à iniciativa da Promotora de Justiça, Dra Vanilce dos Santos. A partir do momento em que se permitiu a migração desses injustiçados, o governo se tornou responsável por dar condições de abrigo, emprego e saúde. Somente dessa forma que se evitará a vulnerabilidade que se encontram os filhos dos migrantes. Não é de hoje que Cuiabá é conhecida pela sua hospitalidade e seus moradores, por terem um coração imenso, que se preocupa com o próximo. Por aqui podemos afirmar que os cuiabano seguem e vivem conforme os ensinamentos: Amarás o teu próximo como a ti mesmo!

  • Fabíola
    24 Ago 2019 às 01:42

    Eu particularmente não gosto da vinda de imigrantes para cá. Já temos nossos problemas sócio econômicos. Mas o que já constatei é que enquanto os haitianos trabalham, os venezuelanos ficam nas rotatórias de bairros ricos da capital pedindo dinheiro aos motoristas. Conselho tutelar não resolve nada. Daqui a pouco vão ter direito à minha casa minha vida.

  • Renata
    23 Ago 2019 às 23:44

    Tomara que medidas sejam tomadas. Dá pena ver essas crianças, muitas vezes bebês, debaixo do sol, respirando poeira e monóxido de carbono. Ontem mesmo um pai venezuelano, com um bebê no colo, circulava entre os carros pedindo dinheiro. No começo eu até ajudava-os, mas conclui que eles não gostam mesmo de trabalhar. É mais fácil pedir.

  • Janinha Gusmão
    23 Ago 2019 às 17:44

    Esse ministério público, que ganha salários exorbitantes e privilégios, deveria se preocupar com as crianças brasileiras.

Sitevip Internet