Olhar Jurídico

Quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Notícias / Criminal

Relatora vota por condenar Romoaldo a dois anos de reclusão, mas conclusão é adiada

Da Redação - Arthur Santos da Silva

12 Set 2019 - 14:24

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Relatora vota por condenar Romoaldo a dois anos de reclusão, mas conclusão é adiada
A desembargadora Maria Erotides Kneip Baranjak, relatora de ação penal movida pelo Ministério Público de Mato Grosso (MPE) contra o deputado estadual Romoaldo Junior, votou nesta quinta-feira (12) por condenação a dois anos e três meses de reclusão e inabilitação para exercício de funções públicas por cinco anos.

Leia também 
Relatora vê indícios de crimes supostamente cometidos por Romoaldo, mas conclusão é adiada
 

Também votaram pela condenação os desembargadores Marcos Machado, Dirceu dos Santos, Maria Aparecida Ribeiro, José Zuquim Nogueira, Helena Maria Bezerra Ramos, Márcio Vidal e Clarice Claudino da Silva.

A conclusão do julgamento foi adiado após pedido de vistas do desembargadorJoão Ferreira. O pedido de vistas também foi compartilhado pelo desembargador Rui Ramos Ribeiro.
 
O Pleno chegou a suspender sessão na manhã desta quinta-feira. O voto da relatora foi interrompido para que houvesse exame sobre uma tese levantada pelo advogado Valber Melo durante sustentação oral. A sessão foi retomada às 13h30.

Em consequência do pedido de vista, nova data para continuação de julgamento da matéria será marcada.
 
O caso

No caso, Romoaldo, então prefeito de Alta Floresta (792 km de Cuiabá), supostamente doou, em conjunto com pessoa identificada como Ney Garcia, um lote de 975 m² ao denunciado Paulo Cesar Moretti. Conforme o Ministério Público (MPE), para dar ar de legalidade ao crime, houve falsificação de documentos.

No ano de 2001 foram expedidos editais de quatro procedimentos de licitação para venda de centenas de lotes públicos. Em nenhuma delas estava incluído o lote alvo da ação.

Embora não conste que o lote mencionado tenha sido objeto de licitação, Romoaldo e Ney Garcia formularam contrato particular de compra e venda, constando como adquirente do imóvel o senhor Valter Luiz Kokudai.

Paulo Cesar Moretti, tendo se apresentado como procurador de Valter Luiz Kokudai, assinou o contrato. Conforme o MPE, os envolvidos simularam que o imóvel estava sendo adquirido.

Na verdade, quem adquiriu (ou ganhou) o imóvel foi o denunciado Moretti, então proprietário da empresa Mqs Engenharia, da qual Valter Luiz Kokudai era sócio e já havia se desligado.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Vera
    12 Set 2019 às 22:17

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Chacal
    12 Set 2019 às 17:00

    O crime compensa.

  • Crítico
    12 Set 2019 às 16:23

    18 anos depois? Pena pífia

  • joao
    12 Set 2019 às 15:40

    Olha a pena do romualdo, kkkkkkk, as decisões incentivam a aumentar os crimes. Este país não tem jeito.

Sitevip Internet