Olhar Jurídico

Quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Notícias / Criminal

Testemunhas são ouvidas em audiência na Justiça Federal sobre o contrato do VLT

Da Redação - Arthur Santos da Silva

16 Set 2019 - 14:38

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Testemunhas são ouvidas em audiência na Justiça Federal sobre o contrato do VLT
O juiz Ciro de Andrade Arapiraca, da Primeira Vara Federal em Mato Grosso, comanda na tarde desta terça-feira (17) audiência de instrução para oitivas de testemunhas em processo sobre o Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT). Conforme apurado pelo Olhar Jurídico, dois auditores da Controladoria Geral do estado serão ouvidos.

Leia também 
Rosa Neide pede para atuar em Reclamação que suspendeu inquérito sobre fraude na Seduc


A ação civil pública foi ajuizada em 2015 pelo Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público Estadual (MPE) e estado de Mato Grosso. Desde então o caso foi suspenso por diversas vezes em tentativas de negociações.
 
Conforme informações dos autos, o objetivo do processo era a suspensão dos prazos do contrato e termos aditivos, apresentação do projeto executivo e de desapropriações das obras de implantação do VLT, que fossem corrigidas falhas nas conexões do material rodante e a renovação da garantia contratual e renovação dos seguros.
 
Porém, vários pedidos já perderam validade. Houve inclusive o rompimento do contrato. A rescisão foi comunicada em 2017 pelo então governador, Pedro Taques (PSDB), após a Operação Descarrilho, com base na delação premiada do também ex-governador, Silval Barbosa. Esquema de corrupção foi revelado.
 
Restou demonstrado atos de inidoneidade consistentes no pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos, subcontratação com irregularidade e cumprimento irregular de cláusulas do contrato.

A decisão de rescisão foi estabelecida com base em parecer final de uma comissão processante. Acolhendo o parecer da comissão, a Secretaria das Cidades decidiu pela rescisão unilateral do contrato, com a aplicação de penalidades decorrentes do descumprimento contratual, como a multa no valor de cerca de 147 milhões de reais, além de indenização dos prejuízos causados ao Estado de Mato Grosso e a declaração de inidoneidade do Consórcio VLT e das empresas que o compõem.
 
O posicionamento administrativo foi homologado por decisão na Turma de Câmaras Cíveis Reunidas de Direito Público e Coletivo, vinculada ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), em sessão de junho, quando da negativa de mandado de segurança.

Cenário atual

O secretário nacional de Mobilidade Urbana, Jean Carlos Pejo, criou o Grupo de Trabalho sobre o sistema de mobilidade urbana da região metropolitana de Cuiabá (GT Mobilidade Cuiabá) para analisar a viabilidade ou não da conclusão das obras do Veiculo Leve sobre Trilhos.

Somente depois do GT o futuro do modal será definido.
 

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet