Olhar Jurídico

Terça-feira, 22 de outubro de 2019

Notícias / Criminal

Justiça manda soltar engenheiros e produtor presos em operação contra desmatamento ilegal

Da Redação - Wesley Santiago

17 Set 2019 - 07:15

Foto: Olhar Direto

Justiça manda soltar engenheiros e produtor presos em operação contra desmatamento ilegal
A Justiça mandou soltar quatro alvos da sexta fase da ‘Operação Polygonum’, deflagrada na última segunda-feira (17), com o objetivo de combater organização que estaria fraudando o sistema da Secretaria de Meio Ambiente (Sema) com o intuito de realizar desmatamento ilegal. No total, foram cumpridas 12 prisões.

Leia mais:
Coordenador da Sema é preso em operação contra desmatamento ilegal; carros de luxo apreendidos
 
Conforme o apurado pelo Olhar Jurídico, um dos alvos da operação, César Farias, que chegou a ser preso na ‘Operação Terra a Vista’, em março deste ano e representado pelo advogado Jaime Ulisses Peterlini, foi um dos que conseguiu o relaxamento de sua prisão.
 
Os engenheiros florestais Carlos Vitor Timo Ribeiro Junior (representado pela advogada Elke Regina Armênio Delfino Max) e Roberto Passos de Oliveira também conseguiram a liberdade na Justiça. Outro que foi colocado em liberdade foi o produtor rural de Paranatinga, Pedro Dalla Nora (representado por Sueli Silveira).
 
Os detalhes da decisão não foram revelados, já que o processo corre em segredo de Justiça. Todos os alvos citados foram presos por participação no esquema revelado na última segunda-feira, em ação do Polícia Civil e do Ministério Público Estadual (MPE).
 
A Operação
 
As investigações indicam que proprietários de imóveis rurais, através de engenheiro florestal, estariam fraudando o sistema ambiental com relatórios ambientais inidôneos. O imóvel localizado em bioma amazônico, por exemplo, pode ser desmatado em apenas 20%. Contudo, se a tipologia florestal for de Cerrado, o proprietário tem direito a desmatar 65%.
 
Com um relatório falso aprovado pela Sema é possível desmatar mais do que o triplo permitido pelo Código Florestal. Assim, uma fazenda de 10.000 hectares, localizada no bioma amazônico, poderá desmatar 4.500 hectares a mais com o relatório fraudado aprovado pela Sema. Essas informações ficam registradas no sistema e, com o uso de imagens de satélite e outras ferramentas tecnológicas, podem ser auditadas em qualquer momento, mesmo após os desmatamentos.
 
Ainda, durante o minucioso trabalho realizado por equipe de analistas da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), em apoio às fases anteriores da Operação Polygonum, foi possível o cruzamento de informações, auxiliando no presente trabalho investigativo.
 
Os inquéritos policiais instaurados para a apuração dos fatos encontra-se sob segredo de justiça, os quais apuram as práticas de organização criminosa (art.2º, da Lei 12850/13), falsidade ideológica (art.299, do CP), inserção de dados falsos no Sistema da Administração Pública (art.313-A, do CP), descumprimento de obrigação de relevante interesse ambiental (art. 68, da Lei 9605/98),fraude em procedimento administrativo ambiental (art.69-A, da Lei 9605/98), dentre outros.
 
O coordenador da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), Ronnky Chaell Braga da Silva, 37 anos, foi preso temporariamente. Natural de Rondônia, ele é engenheiro florestal e já foi candidato a deputado estadual em 2014 pelo Partido Social Cristão. Ele foi designado para responder pela Superintendência de Gestão Florestal (SUGF), entre os dias 10 e 23 de setembro, em substituição à superintendente que iria usufruir de férias, conforme publicação do Diário Oficial do Estado (DOE), da última quarta-feira (11).
 
O nome de todas as pessoas que tiveram os mandados de prisão podem ser conferidos AQUI.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Lucas
    17 Set 2019 às 14:12

    Vocês já viram algum servidor de carreira corrupto que foi realmente exonerado? Eu nunca vi... Sem contar que a justiça é morosa, logo os processos prescrevem. Esses engenheiros florestais corruptos deviam no mínimo, ter seu CREA cassado!

  • trabalhador
    17 Set 2019 às 12:48

    prender para que ???? pra soltar ....amigos conveniamos gastando o dinheiro publico ....investiga prende solta ...prende sem prova ...oh quemm investiga faz bem feito.

  • Tiago
    17 Set 2019 às 09:50

    Esse Roberto é conhecido da polícia, participação em várias operações. Só malandros que ajudaram a destruir o meio ambiente, deveria ser prisão perpétua, estão prejudicando a toda a sociedade, veja a situação do ar que estamos respirando, graças a esses salafrários. Agora serão rotulados para sempre como corruptos. Essa é a justiça verdadeira, a destruição da moral desses vagabundos.

  • MARIA TAQUARA
    17 Set 2019 às 09:20

    crimes ambientais são tratados com muito descaso... volta e meia há anistia, povo priso é liberto da prisão

  • José
    17 Set 2019 às 09:00

    Quando tem políticos envolvidos é assim prende ne um dia solta no outro

  • mauro santana
    17 Set 2019 às 08:34

    Para que prender então, já estão todos soltos e ricos.

Sitevip Internet