Olhar Jurídico

Terça-feira, 22 de outubro de 2019

Notícias / Criminal

Ex-secretário revela lista de propina paga no Programa MT Integrado; confira

Da Redação - Arthur Santos da Silva

23 Set 2019 - 09:05

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Valdísio Juliano Viriato

Valdísio Juliano Viriato

O ex-secretário adjunto da Secretaria de Transportes e Pavimentação Urbana de Mato Grosso (Setpu) Valdísio Juliano Viriato revelou uma lista de empresas que supostamente pagaram propina ao governo de Mato Grosso durante a gestão Silval Barbosa. Os nomes participavam do Programa MT Integrado, responsável por pavimentação de rodovias no interior. As informações constam de denúncia por mensalinho pago a deputados estaduais.

Leia também 
Seis presos por morte de mulher há dez anos viram réus na Justiça

 
Segundo Viriato, participaram do esquema as empresas Guaxe Construtora, Apuí Construtora de Obras Ltda., Agrimat Engenharia e Empreendimentos, Construtora Campesato, Engemat, Paviservice Serviços de Pavimentação, Base Dupla Serviços de Construções Civil, Terraplanagem Centro Oeste, Rodocon Construções Rodoviárias, Guizardi Engenharia, JM Terraplanagem Construções.
 
O Ministério Público aponta que os valores desviados do MT Integrado serviram para pagar o mesalinho na Casa de Leis. Segundo o órgão ministerial, o dinheiro, considerado uma forma de extorsão, era cobrado no valor mensal de R$ 50 mil.
 
A quantia era exigida pelos parlamentares em troca de apoio político ao então gestor, Silval Barbosa, em razão do volume de capital que estava girando no estado de Mato Grosso por conta das obras milionárias em execução a partir de 2012, para o evento da Copa do Mundo de 2014.
 
Ações
 
Em consequência do mensalinho, o promotor de Justiça Arnaldo Justino da Silva, membro do Ministério Público, denunciou os ex-deputados estaduais Gilmar Fabris e Luiz Marinho por recebimento.
 
Contra Fabris, conforme denúncia assinada no dia 16 de setembro, há pedido de bloqueio liminar no valor de R$ 4,2 milhões. No mérito, há pedido de restituição no valor de R$ 600 mil, pagamento de multa civil de R$ 1,8 milhão e ainda o pagamento de dano moral coletivo de R$ 1,8 milhão.
 
Contra Luiz Marinho,conforme denúncia assinada no dia 17 de setembro, há pedido de bloqueio liminar até o montante de R$ 2,8 milhões. No mérito, ressarcimento no valor de R$ 400 mil, pagamento de multa civil estipulada em R$ 1,2 milhão e ainda no pagamento de dano moral coletivo também de R$ 1,2 milhão.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Angelo
    24 Set 2019 às 10:19

    São os famosos "cidadão de bem" ...

  • Mariane
    23 Set 2019 às 20:57

    Depois pagam de ricos na sociedade! Ricos com dinheiro do crime.

  • Gilberto
    23 Set 2019 às 12:49

    Sempre as mesmas empresas. A pergunta que não quer calar: por que o MPE, o TCE, enfim, o Tribunal de Justiça não impedem essas empresas de participar dos governos corruptos. É um atrás do outro, não pensem que é coisa de agora.

  • Leonardo
    23 Set 2019 às 10:46

    Mas que novidade! Todos sabem disso, só a mídia que passou a saber agora.

  • Leonardo Borges
    23 Set 2019 às 10:40

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • inocente
    23 Set 2019 às 10:22

    Sabe de nada inocente (MP), acha mesmo que eram somente estes empresas que pagavam propina? Ninguem recebia na gestao (SINFRA) deste cidadão sem deixar uma parte!

  • Engº Pedro Lomanho
    23 Set 2019 às 09:28

    Não são só estes valores nem só estas empresas. Falta muita gente boa e muito dinheiro nessa lista de corruptos e corruptores.

Sitevip Internet