Olhar Jurídico

Sábado, 19 de outubro de 2019

Notícias / Criminal

Empresário procura delegacia e MPE para confessar crimes no Programa MT Integrado

Da Redação - Arthur Santos da Silva

23 Set 2019 - 11:13

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Empresário procura delegacia e MPE para confessar crimes no Programa MT Integrado
Depoimento prestado pelo empresário Leonir Romano Baggio, proprietário da Construtora Apuí, na Delegacia Especializada em investigação de Crimes Contra a Administração Pública, confirma pagamento de propina no Programa MT Integrado, responsável por pavimentação de rodovias no interior. As informações constam em denúncia por mensalinho pago a deputados estaduais.

Leia também 
Ex-secretário revela lista de propina paga no Programa MT Integrado; confira

 
“Com efeito, o empresário afirma que o retorno da propina ocorreu em contratos cuja licitação se deu em 2009/2010, sendo que o início das obras aconteceu apenas em 2012; tais empreendimentos faziam parte do programa do MT Integrado e os valores recebidos pela execução das obras eram repassados pela Petrobrás, em razão de Convênio celebrado com o Estado”.
 
O Ministério Público não divulgou trechos ou detalhes aprofundados sobre o depoimento prestado por Leonir Romano Baggio;
 
Conforme revelado pelo Olhar Jurídico, o ex-secretário adjunto da Secretaria de Transportes e Pavimentação Urbana de Mato Grosso (Setpu), Valdísio Juliano Viriato, revelou uma lista de empresas que supostamente pagaram propina ao governo de Mato Grosso.
 
Segundo Viriato, participaram do esquema as empresas: Guaxe Construtora, Apuí Construtora de Obras Ltda., Agrimat Engenharia e Empreendimentos, Construtora Campesato, Engemat, Paviservice Serviços de Pavimentação, Base Dupla Serviços de Construções Civil, Terraplanagem Centro Oeste, Rodocon Construções Rodoviárias, Guizardi Engenharia, JM Terraplanagem Construções.
 
O MPE informou que inquéritos em relação à execução do contrato por tais empresas ainda estão em trâmite junto ao Ministério Público Estadual, tanto na seara cível quanto na criminal.
 
O Ministério Público aponta que os valores desviados do MT Integrado serviram para pagar o mesalinho na Casa de Leis. Segundo o órgão ministerial, o dinheiro, considerado uma forma de extorsão, era cobrado no valor mensal de R$ 50 mil.
 
A quantia era exigida pelos parlamentares em troca de apoio político ao então gestor, Silval Barbosa, em razão do volume de capital que estava girando no estado de Mato Grosso por conta das obras milionárias em execução a partir de 2012, para o evento da Copa do Mundo de 2014.

Ações
 

Em consequência do mensalinho, o promotor de Justiça Arnaldo Justino da Silva, membro do Ministério Público, denunciou os ex-deputados estaduais Gilmar Fabris e Luiz Marinho por recebimento.
 
Contra Fabris, conforme denúncia assinada no dia 16 de setembro, há pedido de bloqueio liminar no valor de R$ 4,2 milhões. No mérito, há pedido de restituição no valor de R$ 600 mil, pagamento de multa civil de R$ 1,8 milhão e ainda o pagamento de dano moral coletivo de R$ 1,8 milhão.
 
Contra Luiz Marinho,conforme denúncia assinada no dia 17 de setembro, há pedido de bloqueio liminar até o montante de R$ 2,8 milhões. No mérito, ressarcimento no valor de R$ 400 mil, pagamento de multa civil estipulada em R$ 1,2 milhão e ainda no pagamento de dano moral coletivo também de R$ 1,2 milhão.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • valdiney mendes
    23 Set 2019 às 15:35

    Kkkkkkk começou hoje a corrupção na política de MT. Aqui quem não da nunca vai trabalhar kkkkkkkk ate porteiro de prédio quer mensalinho kkkkk e bem MT.

Sitevip Internet