Olhar Jurídico

Sexta-feira, 06 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

MPE avalia processar cabo por dano ao patrimônio público em sumiço de placas do grampos

Da Redação - Arthur Santos da Silva

02 Out 2019 - 11:34

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

MPE avalia processar cabo por dano ao patrimônio público em sumiço de placas do grampos
Coordenador do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco) Criminal, o procurador de Justiça Domingos Sávio levantou nesta quarta-feira (2) a possibilidade de acionar o cabo Gerson Corrêa Júnior pelo crime de dano ao patrimônio público.
 
Leia também 
Investigações da Corregedoria isentam membros do MP de participação nos grampos


O policial militar, alvo do caso conhecido como Grampolândia Pantaneira, confessou ter destruído as placas utilizadas nas interceptações clandestinas. Gerson já é réu na Justiça Militar.
 
Houve confirmação que o MPE e a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) assinaram em 2010 um Termo de Cessão de Uso de Bem Móvel a Título Gratuito de duas placas da marca Witron. O documento estabeleceu que o bem deveria ser restituído ao Ministério Público no prazo de seis meses. 
 
Porém, não houve devolução. Há suspeita é de que o equipamento passou a ser utilizado em 2014 na central de escutas telefônicas clandestinas da Polícia Militar. O cabo Gerson Corrêa confessou em diversos depoimentos que destruiu o objeto e o jogou no Rio Cuiabá.
 
Como não existe possibilidade de devolução, o Ministério Público estuda a propositura de uma ação buscando responsabilização pelo dano.
 
Resultados
 
Membros do MPE apresentaram os resultados de Procedimentos de Investigação Criminal (PIC) instaurados para apurar a procedência de denúncias feitas por policiais militares em depoimentos prestados junto à 11ª Vara de Justiça Militar, contra procuradores e promotores de Justiça, no processo referente à chamada Grampolândia Pantaneira.
 
Houve divulgação de que a Corregedoria-Geral do Ministério Público determinou o arquivamento da sindicância instaurada para apurar eventual responsabilidade do então procurador-geral de Justiça, Paulo Prado, no fornecimento das placas Wytron que foram utilizadas indevidamente.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Dom Quixote de La Mancha
    02 Out 2019 às 14:06

    Prisão e condenação urgente

  • Roberto
    02 Out 2019 às 12:59

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet