Olhar Jurídico

Quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Notícias / Criminal

Naco Criminal vai colaborar para impedir absolvição de militares envolvidos com grampos

Da Redação - Arthur Santos da Silva

02 Out 2019 - 15:52

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Naco Criminal vai colaborar para impedir absolvição de militares envolvidos com grampos
Coordenador do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco) Criminal, o procurador de Justiça Domingos Sávio afirmou que enviará informações apuradas de forma administrativa para auxiliar no julgamento contra militares envolvidos na Grampolândia Pantaneira.

Leia também 
Juiz afirma que não há certeza de novos crimes e mantém Arcanjo no semiaberto


O Ministério Público (MPE) apresentou nesta quarta-feira (2) o resultado de três investigações internas. Todas elas desmontam as narrativas dos acusados, inocentando membros do órgão ministerial. O objetivo é evitar absolvições pautadas pelo possível reconhecimento de colaborações unilaterais.
 
“Nós vamos encaminhar essas conclusões ao juízo da Décima Primeira Vara. Aparentemente esses cidadãos estão buscando algum benefício”. Afirmou Domingos Sávio durante coletiva de imprensa. “Nós estamos concluindo que não é verdade, pelo menos até aqui, nós vamos encaminhar essas conclusões ao juiz, para ele tomar conhecimento”, complementou.
 
Além do posicionamento do Naco, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 13ª Promotoria de Justiça Criminal, que atua no âmbito da Justiça Militar, já manifestou-se contrário ao pedido de colaboração premiada efetuado pela defesa dos coronéis da Polícia Militar, Zaqueu Barbosa e Alexandre Ferraz Lesco, e do cabo Gerson Ferreira Correa Junior.
 
Na manifestação, o promotor de Justiça Allan Sidney do Ó Souza defende o reconhecimento apenas de atenuante genérica do Código Penal Militar relativa à confissão espontânea.
 
Em relação a Zaqueu, foi requerida a condenação pelos crimes de falsificação de documento público, falsidade ideológica e realização de operação militar sem ordem superior.
 
A condenação requerida ao cabo Gerson abrange falsificação de documento público e falsidade ideológica. Evandro pode ser condenado pelo crime de realização de operação militar sem ordem superior.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Critico
    02 Out 2019 às 17:11

    O NACO tem que ser mais transparente

Sitevip Internet