Olhar Jurídico

Sexta-feira, 06 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

MP oferece denúncia contra caminhoneiro acusado de infectar seis mulheres com HIV

Da Redação - Wesley Santiago

04 Out 2019 - 10:00

Foto: Reprodução

MP oferece denúncia contra caminhoneiro acusado de infectar seis mulheres com HIV
O Ministério Público Estadual (MPE) ofereceu denúncia contra o caminhoneiro Haroldo Duarte da Silveira, 32 anos, preso em agosto deste ano em trabalho investigativo da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cuiabá, acusado de transmitir HIV para pelo menos seis mulheres.

Leia mais:
Caminhoneiro preso por infectar seis mulheres com HIV diz não acreditar que passaria vírus
 
A denúncia contra o caminhoneiro foi oferecida, por enquanto, em apenas um dos casos, no dia 25 de setembro deste ano.
 
A delegada Nubya Beatriz Gomes dos Reis, responsável pelo caso, disse ao Olhar Direto/Jurídico que quatro dos seis inquéritos já foram relatados e encaminhados ao Ministério Público. Outros dois, que apareceram após a divulgação do caso, ainda continuam a ser investigados.
 
A prisão de Haroldo se deu em caráter preventivo porque, segundo a delegada Nubya Beatriz Gomes dos Reis, a detenção visava salvaguardar a integridade física e psicológica das vítimas. Ele foi encaminhado para o Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), antigo presídio do Carumbé.
 
O suspeito foi indicado também por quatro tentativas de feminicídio. Ele estava fora de Mato Grosso e foi preso ao retornar para a capital. De acordo com as vítimas, Haroldo nunca afirmou ser portador do vírus ou ter usado qualquer tipo de proteção.
 
Ao Olhar Direto/Jurídico, uma das vítimas disse que Haroldo sabia da condição, o conheceu em uma rede social e afirmou que busca Justiça para outras vítimas que nem sabem que podem estar carregando a doença.
 
“Quando eu contei para ele, ficou revoltado, disse que eu que tinha passado a doença para ele. Nesta mesma época, descobri que ele ficava com outra mulher também. Fiz tratamento para depressão e comecei a tomar os remédios. Resolvi procurar a polícia porque eu não queria que ele continuasse fazendo isto com outras mulheres”, disse a vítima.
 
Prisão
 
Haroldo Duarte da Silveira, 32 anos, foi preso em trabalho investigativo da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cuiabá, acusado de transmitir Síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) para quatro mulheres com quem se relacionou por vários anos. No total, foram quatro mandados de prisão.
 
O suspeito estava fora do Estado e foi preso ao retornar para Cuiabá. Ele foi indiciado por quatro tentativas de feminicídio.
 
As vitimas, ao serem ouvidas em declarações, foram uníssonas em afirmar que durante as relações sexuais o investigado em momento algum anunciou ser portador de doença ou usou qualquer tipo de proteção.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • LEIA MAIS
    06 Out 2019 às 16:58

    o que que tem a ver tentativa de feminicidio como o caso apresentado??? trata-se o exímio caso da tipicidade legal do artigo 130 ou 131 do código penal Perigo de contágio venéreo Art. 130 - Expor alguém, por meio de relações sexuais ou qualquer ato libidinoso, a contágio de moléstia venérea, de que sabe ou deve saber que está contaminado: Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa. § 1º - Se é intenção do agente transmitir a moléstia: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa. § 2º - Somente se procede mediante representação. Perigo de contágio de moléstia grave Art. 131 - Praticar, com o fim de transmitir a outrem moléstia grave de que está contaminado, ato capaz de produzir o contágio: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

  • Marcos E.
    05 Out 2019 às 15:32

    Parabens delegada Nubia. Está ai o fruto do seu trabalho.

  • Chico Bento
    04 Out 2019 às 17:12

    E por que essas mulheres não se precaveram? Agora a culpa é só do doente?

Sitevip Internet