Olhar Jurídico

Sexta-feira, 06 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Delator afirma que cobrou pessoalmente Maggi e Silval por empréstimos no Bic Banco

Da Redação - Arthur Santos da Silva

06 Out 2019 - 17:01

Foto: Arquivo

Delator afirma que cobrou pessoalmente Maggi e Silval por empréstimos no Bic Banco
Delator premiado na Operação Ararath e ex-superintende do Bic Banco em Mato Grosso, Luiz Carlos Cuzziol afirmou ter feito pessoalmente cobranças junto aos ex-governadores Blairo Maggi e Silval da Cunha Barbosa. Os encontros tratavam sobre supostos empréstimo fraudulentos em nome de aproximadamente 30 empresas. O Poder Executivo atuava dando garantias. 

Leia também 
Delator entrega até 30 empresas envolvidas em empréstimos investigados na Ararath

 
Cuzziol afirmou em depoimento na Justiça Federal ter entregue pessoalmente o que chamava de tabelas de controle de empréstimos. “Entregamos também para o Silval aquela cartinha, aquele controle [tabela de empréstimos]. Entreguei uma vez, quando fui apresentado para o ex-governador Blairo. Entreguei também uma relação” afirmou o delator.
 
Questionado se Blairo e Silval desconheciam as dívidas quando foram cobrados, Cuzziol afirmou que houve questionamento sobre valores. Porém, o colaborador acredita que ambos sabiam das operações, ao menos em parte. “Eu não sei se na íntegra, todas as operações. Quando eu fui cobrar a primeira vez, que eu sentei, assustaram com o valor. ‘Tudo isso? Isso já foi liquidado’”.
 
Luiz Carlos Cuzziol,  que vem se tornando um dos principais nomes da Operação Ararath, revelou em audiência na Justiça Federal ter recebido uma lista com dados “de 20 ou 30 empresas” que seriam beneficiadas por meio de empréstimos fraudulentos.
 
A lista foi repassada, conforme informado em processo, por Eder Moraes, nome que chegou a ocupar os cargos de Secretário de Fazenda e de Casa Civil. As tratativas foram executadas diretamente com o presidente do banco, pessoa identificada como Jose Bezerra de Menezes.
 
As empresas supostamente possuíam serviços prestados junto ao Poder executivo e não pagos. Segundo o Ministério Público, muitas das operações recebiam como garantia créditos fictícios por meio de simulação.
 
Luiz Carlos Cuzziol firmou delação premiada em 2019 junto ao Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), em Brasília. Antes de colaborar, foi condenado em ação da Ararath. Processo de 2015 gerou pena de 31 anos de reclusão. 

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • AVANÇA MT
    07 Out 2019 às 08:28

    ESSE EX MINISTRO DA AGRICULTURA TEM MUITAS CONTAS A PRESTAR COM A SOCIEDADE, ISSO AÍ É SÓ O COMEÇO A JUSTIÇA TEM QUE PUNIR E APREENDER OS BENS PARA SERVIR DE EXEMPLOS

  • Cuzzi. Depressao
    06 Out 2019 às 21:37

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Zenobio
    06 Out 2019 às 17:16

    As empresas que por triangulação embolsavam a grana como também financiavam os políticos a mídia não divulga. Mas nós sabemos que são os empreiteiros, fazendeiros e empresários urbanos como os comerciantes.

Sitevip Internet