Olhar Jurídico

Quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Notícias / Criminal

Informações atribuídas a Riva revelam propina em campanhas e Silval doando R$ 7 milhões

Da Redação - Arthur Santos da Silva

08 Out 2019 - 11:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Informações atribuídas a Riva revelam propina em campanhas e Silval doando R$ 7 milhões
Proposta de delação premiada atribuída ao ex-deputado estadual Jose Geraldo Riva detalha informações sobre esquemas durante campanhas eleitorais em Mato Grosso. De 1998 até o ano de 2014 o ex-parlamentar supostamente acompanhou negociações nos pleitos. O ex-governador Silval Barbosa, por exemplo, teria contribuído com R$ 7 milhões durante uma ocasião.

Leia também 
Proposta de delação atribuída a Riva revela propina paga por duas construtoras ligadas a ex-prefeito

 
“Desde o ano de 1998, o Colaborador participou ativamente de todos os pleitos eleitorais ora como 1º Secretario ora como Presidente da ALMT, razão pela qual atuou diretamente nas campanhas à reeleição até o ano de 2014. Nessa esteira, detém pleno conhecimento das propinas envolvidas nesses intentos políticos”, afirma trecho do documento.
 
Apesar de citar o ano de 1998, a proposta atribuída a Riva trabalha com precisão apenas sobre os últimos pleitos eleitorais do ex-deputado estadual. “Nesse viés, esclarece que nas campanhas eleitorais de 2010 e 2014, todos os candidatos à reeleição ao cargo de Deputado Estadual do Mato Grosso receberam algum tipo de propina”, salienta trecho.
 
Os valores, ainda conforme informação atribuída a Riva, eram pagos com recursos desviados da ALMT. Além do dinheiro da Casa de Leis, o ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, prometeu uma ajuda de R$ 10 milhões. Efetivamente apenas R$ 7 milhões foram pagos.
 
Informações revelam também que a Assembleia não arcava com as despesas de campanha eleitorais somente de Deputados Estaduais, mas também de Prefeitos e Vereadores Municipais, “uma vez que havia forte pressão dos membros da Casa de Leis Estadual para o fornecimento de recursos”.
 
Os detalhes constam em documento que teria sido encaminhado à procuradora de Justiça Ana Cristina Bardusco, chefe do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), no dia 27 de março.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet