Olhar Jurídico

Quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Notícias / Civil

Fachin segue relatora e não vê ilegalidade em lei que determinou parcelamento da RGA em Mato Grosso

Da Redação - Arthur Santos da Silva

16 Out 2019 - 10:04

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Fachin segue relatora e não vê ilegalidade em lei que determinou parcelamento da RGA em Mato Grosso
O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou como improcedente Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT) para questionar a Lei estadual 10.410/2016, sancionada pelo então governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), que previu o pagamento parcelado da revisão geral anual dos servidores públicos do Poder Executivo. A sessão virtual se encerrará somente no dia 17 de outubro.

Leia também 
Delação de Cuzziol deve permanecer em sigilo para funcionar como meio de obtenção de prova, diz desembargador


O voto de Edson Fachin, em sessão virtual, seguiu posicionamento da relatora, Rosa Weber. O período de votação se encerra no dia 17 de outubro.
 
De acordo com o autor da ação, a norma questionada previa que os servidores do Executivo, diferentemente dos servidores dos demais poderes, deveriam receber o aumento, fixado em 11,28%, de forma parcelada, em datas bases diversas, e sem retroatividade. O partido alega que essa diferenciação feriu o princípio constitucional da igualdade.

O argumento do governo de Mato Grosso seria a possibilidade de ultrapassar o limite de gastos com pessoal previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), diz o PDT. Para a legenda, contudo, esse extrapolamento dos limites da LRF é um problema de gestão que não pode ter como vítima os servidores que cedem sua mão de obra ao Estado em troca de uma remuneração que é protegida pela irredutibilidade de vencimentos.

O partido lembrou, ainda, que a própria LRF excepciona a revisão geral anual dos demais gastos com pessoal, por ter o legislador ordinário o conhecimento de que este é um direito fundamental previsto na Constituição, corolário do princípio da irredutibilidade.
 
Além disso, ao prever parcelas da revisão anual para o ano de 2017, após a data base da categoria, no entender do partido, há violação expressa do disposição do artigo 39 (parágrafo 4º) da Constituição brasileira.
 
O PDT pede no mérito que o STF confirme a liminar para garantir o pagamento de forma integral, como forma de proteger o princípio da igualdade e a irredutibilidade dos salários.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Luísa CPA
    16 Out 2019 às 14:59

    Tem que acabar com rga e estabilidade do serviço público. Trabalham pouco, ganham demais.

  • Luiz
    16 Out 2019 às 12:52

    Parcelar é uma coisa, agora não pagar (como está sendo feito) já é outra.

  • Luciano Ferreira de Morais Sobrinho
    16 Out 2019 às 12:49

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • gilberto
    16 Out 2019 às 10:37

    Entre um gole de vinho de boa safra e um petisco de queijo neozelandez eles definem seus votos sempre"a favor" do trabalhador! ô vida de Gado...

  • Gladston
    16 Out 2019 às 10:35

    Queria ver ae fosse para parcelar a altíssima remuneração desses senhores feldais se também veriam com naturalidade uma covardia dessas. Traíras mercenários!

Sitevip Internet