Olhar Jurídico

Terça-feira, 12 de novembro de 2019

Notícias / Criminal

Alan Malouf comprova escrituração e apartamento de R$ 2 milhões será leiloado

Da Redação - Arthur Santos da Silva

17 Out 2019 - 11:23

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Alan Malouf comprova escrituração e apartamento de R$ 2 milhões será leiloado
A juíza Ana Cristina Mendes, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, determinou a imediata avaliação de um apartamento entregue pelo empresário Alan Malouf em bloqueio proveniente da Operação Sodoma, terceira fase.

Leia também 
Denúncia contra Celeiro por falsificação de ‘carnes nobres’ e superfaturamento é arquivada

 
Conforme a decisão, datada de quarta-feira (16), o bem passará por leilão judicial. A determinação foi estabelecida após o réu comprovar a escrituração do imóvel.

“Assim, diante da determinação de sequestro do imóvel, bem como considerando a juntada de todos os documentos solicitados à defesa do acusado, determino a imediata avaliação do bem, para posterior remessa à Central de Leilões desta Comarca”.
 
O imóvel é a unidade 301 do Condomínio Forest Hill, localizado na Rodovia Emanuel Pinheiro, em Cuiabá, com avaliação de mais de R$ 2 milhões. O bem foi entregue ainda quando em fase de construção para substituir bloqueio de contas inicialmente decretado em R$ 2,3 milhões.
 
No caso, a Justiça examina crimes cometidos na desapropriação de área urbana. O ex-governador Silval da Cunha Barbosa confessou ter participado do esquema que culminou no pagamento de R$ 31,7 milhões para a desapropriação de um terreno no Bairro Jardim Liberdade, em Cuiabá. Metade do valor (R$ 15,8 milhões) teria retornado como propina. Alan Malouf seria um dos membros da organização criminosa.
 
Recentemente, em processo sobre os mesmos fatos na Vara de Ação Cível Pública de Cuiabá, a juíza Celia Regina Vidotti negou desbloquear R$ 200 mil de Alan Malouf. O empresário tentava revogar a indisponibilidade alegando que, em delação premiada, entregou diversos bens que, segundo os réus, seriam suficientes para ressarcimento ao dano causado.
 
Segundo decisão, a colaboração não serve para amenizar possível responsabilização por ato de improbidade administrativa

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet