Olhar Jurídico

Segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

Notícias / Civil

Mesmo com liminar, adolescente em trabalho de parto aguarda vaga em UTI há 4 dias

Da Redação - Fabiana Mendes

21 Out 2019 - 15:54

Foto: Ilustração

Mesmo com liminar, adolescente em trabalho de parto aguarda vaga em UTI há 4 dias
Em trabalho de parto há quatro dias, uma adolescente, de 16 anos, grávida de seis meses, aguarda vaga em Unidade Intensiva de Tratamento (UTI) Neonatal do Hospital Regional de Alta Floresta ( a 775 quilômetros de Cuiabá). Por temer a morte do bebê, a família procurou a Defensoria Pública de Mato Grosso que conseguiu liminar na Justiça, no último sábado (19) determinando a transferência. Entretanto, o Estado não cumpriu a determinação judicial até a tarde desta segunda-feira (21).

Leia mais:
STF nega recurso que buscava anular indicação de Maluf ao TCE-MT

O defensor público que moveu a ação, Paulo Marquezini, anexou prontuários médicos, exames, laudos, fichas de regulação ao processo que evidenciam a necessidade urgente da transferência, diante das complicações da gravidez.

Os pareceres médicos afirmam que o bebê pode nascer a qualquer momento, pois a mãe já teve ruptura da bolsa e perde líquido amniótico, o que agrava a situação da criança a cada minuto. E que, o nascimento nessas condições, sem o amparo de uma UTI Neonatal, indica grande risco de morte.

"A gestante e o seu filho correm risco de morte caso o parto seja realizado no Hospital Regional de Alta Floresta. Há a necessidade de que ela e o filho sejam transportados, por meio aéreo, para um hospital referência em obstetrícia, com suporte de UTI neonatal. Ela está com 26,3 semanas, o parto é iminente e sendo aqui, terá risco de morte. Por esse motivo, ela deve ser transferida imediatamente", afirma o defensor público Paulo Marquezini, em trecho da ação.

Porém, mesmo após conseguir a liminar, no sábado, o Estado não atendeu à urgência. O defensor público então voltou a se manifestar no processo no domingo, pedindo urgência na transferência, do contrário, pedindo punição pecuniária para os gestores públicos. Marquezini junto com a família da adolescente ainda buscou orçamentos na rede privada para tentar a transferência, mas não teve retorno.

Segundo informações da assessoria de imprensa, o juiz plantonista da 1ª Vara Especializada de Fazenda Pública de Várzea Grande, Murilo Mesquita, que garantiu a liminar, voltou a se manifestar no processo no domingo, determinando que a Central de Regulação e o Secretário de Estado de Saúde respondessem, em três horas, sobre quis medidas haviam sido tomadas para evitar a morte do bebê, sob pena de incorrerem em ato atentatório à dignidade da Justiça.

Após receber as respostas, que indicaram que não havia vaga em UTI neonatal no Estado para receber o bebê e que essa vaga estava sendo pesquisada no setor privado, o juiz determinou, nesta segunda-feira, que novas informações sobre a efetividade do cumprimento da decisão sejam encaminhadas para a 1ª Vara, enquanto os orçamentos do custo do serviço na rede privada são aguardados.

O defensor público Túlio Ponte de Almeida é o plantonista da semana e dará prosseguimento à ação. A adolescente é dona de casa e o esposo trabalha num frigorífico da cidade. A família aguarda ansiosa a vaga para o bebê.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Wagner Cordeiro
    22 Out 2019 às 08:19

    Mais uma do grupo de trabalho para judicializacao e extração dos recursos públicos Boa captação de pacientes

  • Marcos
    22 Out 2019 às 07:56

    São solicitados sempre 3 orçamentos para só então aprovar o mais em conta ao estado, sem contar que a aprovação do orçamento que será pago levará, na melhor das hipóteses uma semana pra ser aprovado, o montante bloqueado e depositado na conta do favorecido. Os trâmites burocráticos e financeiros de uma situação dessas é sinistro. Enquanto isso o paciente que se f.........A questão do deslocamento aéreo da paciente também é complicado. Se bobear, a multa pelo não cumprimento da liminar é mais barata do que os gastos com a logística. O hospital com referência para esse tipo de atendimento teria que atender também pelo SUS (E tem). O que não dá pra entender é o tempo que essa paciente está aguardando um resolução do caso se a situação já era prevista em exames feitos anteriormente. Perdeu-se tempo precioso para fazer esse traslado. Quem sabe essa criança já teria nascido e estaria em casa. Brasil.....

  • Wagner Cordeiro
    21 Out 2019 às 20:03

    Paciente garimpado, defensor solícito, Juiz preocupado,secretário que alega não haver vaga,empresa aéria prontíssima e vaga naquele hospital particular pré- escolhido e com o orçamento super-faturado pronto.Enredo repetido e oneroso aos ombros dos demais membros da sociedade.A menina fez o filho,deixem ela e o esposo se responsabilizarem.

  • Nonato
    21 Out 2019 às 17:53

    Manda esperar deitada..se pe ela cansa de esperar

Sitevip Internet