Olhar Jurídico

Sexta-feira, 06 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Promotor pede novos documentos na Grampolândia; defesa teme adiamento de audiências

Da Redação - Arthur Santos da Silva

24 Out 2019 - 18:19

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Promotor de Justiça Allan Sidney do Ó Souza

Promotor de Justiça Allan Sidney do Ó Souza

O promotor de Justiça Allan Sidney do Ó Souza, membro do Ministério Público (MPE) responsável por atuar na Décima Primeira Vara Criminal de Cuiabá, especializada em Justiça Militar, pediu a inclusão de mais documentos no processo conhecido como Grampolândia Pantaneira. Advogados que atuam no caso temem que o pedido, datado do dia 23 de outubro, adie audiências de julgamento previstas para o começo de novembro.
 
Leia também 
Pleno decide que conselheiro Guilherme Maluf será julgado na Sétima Vara


O objetivo da acusação é anexar procedimentos investigatórios e notícias de fato instruídas pelo Núcleo de Ações de Competência Originárias (Naco) Criminal. O membro do órgão ministerial avalia que até o momento apenas partes das investigações foram juntadas. No processo, são réus os coronéis Zaqueu Barbosa, Evandro Alexandre Ferraz Lesco, Ronelson Jorge de Barros, o tenente-coronel Januário Antônio Batista e o cabo Gerson Luiz Ferreira Corrêa Júnior.


Neyman Monteiro é advogado do cabo Gerson

Segundo Allan, o Naco chegou a enviar informações à promotoria. Porém, foram disponibilizados apenas a cópia de quatro promoções de arquivamentos. Segundo o promotor, as informações estão “desprovidas da documentação que embasaram as referidas decisões [de arquivamento]”.
 
“Tal postura, visa também prestigiar o princípio da lealdade processual, claro, oportunizando às partes que tenham acesso não só às razões ministeriais que levaram às promoções de arquivamento, mas também aos fundamentos fáticos (documentos, oitivas, etc.), que alicerçaram as referidas decisões”, afirmou o promotor de Justiça.

Na opinião de Allan Sidney do Ó Souza, os documentos devem ser compartilhados ao Ministério Público (na figura do promotor), às assistências de acusação, e a posteriori, às defesas.
 
Embasando seu pedido, o membro do Ministério Público citou que um dos réus, o cabo Gerson Correa Junior, juntou seu depoimento junto ao Naco, inclusive trazendo declarações que podem mudar o panorama processual em relação ao corréu Ronelson Jorge de Barros, o que poderia alterar o panorama processual.
 
“Daí se verifica a indispensabilidade da juntada de toda a documentação a ser solicitada junto ao Naco, para uma melhor análise completa, o qual, pode inclusive alterar a constelação probatória”.
 
Documentos do Naco
 
Os documentos do Naco versão sobre arquivamento de investigações contra o procurador de Justiça Paulo Roberto Jorge do Prado, o promotor Marcos Regenold Fernandes, a procuradora Ana Cristina Bardusco Silva e a promotora Januária Dorilêo Bulhões.
 
Foram requisitadas ainda informações sobre a investigação que gerou denúncia cnntra promotor de Justiça Marco Aurélio de Castro, acusado de vazar interceptação de conversa entre o desembargador Marcos Machado e o ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa.
 
Defesa
 
A defesa do cabo Gerson, patrocinada pelos advogados Neyman Monteiro e Eurolino Reis, teme que o requerimento seja uma estratégia para adiar audiências de julgamento previstas para ocorrer nos dias seis, sete e oito de novembro.
 
“Aguardaremos com serenidade o julgamento do processo e esperamos que seja nas datas já designadas”.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet