Olhar Jurídico

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Juíza critica policiais que prenderam e filmaram Piran: “exposição desnecessária”

Da Redação - Vinicius Mendes

25 Out 2019 - 08:27

Foto: Rogério Florentino / OD / Reprodução

Juíza critica policiais que prenderam e filmaram Piran: “exposição desnecessária”
A juíza Ana Cristina Mendes, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, criticou a postura da polícia no cumprimento do mandado de prisão do empresário Valdir Piran, na última terça-feira (22). Vídeos da ação foram divulgados pela polícia, o que foi visto pela magistrada como uma “exposição desnecessária”. Ela afirmou que os atos praticados pelo acusado não podem justificar atitudes que afastem o real objetivo da Justiça e disse ainda que é necessário que as investigações não sejam expostas à opinião pública de “forma desvirtuada”.
 
Leia mais:
Justiça solta Piran, ex-presidente da Câmara e outros quatro presos acusados de fraude de R$ 10 milhões
 
O empresário Valdir Piran e os outros cinco alvos acusados de participação em esquema de desvio de dinheiro público no antigo Centro de Processamento de Dados do Estado (Cepromat), atual Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI), com prejuízo estimado em R$ 10 milhões, foram soltos no início da noite desta quinta-feira (24) após passarem por audiência de custódia.
 
A juíza Ana Cristina Mendes, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, acatou pedido da defesa de Piran, patrocinada pelos advogados Ricardo Spinelli e Marcelo Chaul, reconhecendo que os fatos não são contemporâneos e não existe risco à ordem pública ou aos andamentos do processo.
 
Na audiência, que tem objetivo de verificar se houveram abusos cometidos durante a prisão, o empresário disse que a polícia “teria se posicionado com atitude arrogante” e relatou que os policiais teriam praticado excessos, pois fizeram questão de gravar e fotografar a ação, que foi divulgada para a imprensa quase que simultaneamente. A magistrada fez críticas à esta postura da polícia.
 
“Vislumbra-se que o cumprimento da ordem se deu em modos não autorizados e fora de todo o contexto austero que se exige na condução das medidas deferidas [...] a induzir que se buscava uma exposição desnecessária e que em nada contribui para a elucidação de eventuais práticas delitivas e eventual ressarcimento ao erário”.
 
Além disso, a juíza também defendeu que as investigações devem ser resguardadas e não expostas à opinião pública “de forma desvirtuada”. Ela afirmou que as práticas apuradas não justificam os excessos.
 
“Velhas práticas que eram, em tese, utilizadas em governos anteriores não podem justificar atitudes que afastem o real objetivo do trabalho da Justiça, que se pauta nos princípios constitucionais da dignidade humana, impessoalidade, legalidade, dentre outros, que negligenciados, podem redundar na violação ao princípio da inocência”.
 
Operação Quadro Negro
 
A operação visou dar cumprimentos a mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão domiciliar com o objetivo de apurar desvios ocorridos no antigo Centro de Processamento de Dados do Estado (Cepromat), atual Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI).
 
As ordens judiciais foram decretadas pela juíza Ana Cristina Silva Mendes, da 7ª Vara Criminal da Capital. Ao todo foram expedidos seis mandados de prisão preventiva e sete de busca e apreensão domiciliar, em Cuiabá (MT), Brasília (DF) e Luziânia (GO). A operação é coordenada pelos delegados Anderson Veiga, Luiz Henrique Damasceno e Bruno Lima Barcellos.
 
Além de Valdir Piran, também foram alvos de mandado de prisão: o ex-presidente da Câmara de Cuiabá e do Cepromat, Wilson Celso Teixeira (Dentinho); o também ex-mandatário do mesmo órgão, Djalma Soares; Francisvaldo Pereira de Assunção, ex-secretário adjunto de Administração Sistêmica, e Weydson Soares Fonteles, este último detido em Brasília (DF).
 
Os acusados da fraude de R$ 10 milhões de recursos públicos deverão responder por organização criminosa, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva e falsidade ideológica.

21 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • MAM
    25 Out 2019 às 18:48

    Vejo que houve abuso de autoridade o despreparo e desnecessária o tipo de abordagem.

  • bruna
    25 Out 2019 às 16:04

    Desnecessário é roubar dinheiro público. Esse senhor está há tempos fazendo isso!

  • Aderbal Siqueira
    25 Out 2019 às 14:23

    Uai então ele tem que receber uma indenização também. Parece piada. Todo dia um 7 a 1.

  • Marinalva da Vespucio
    25 Out 2019 às 12:44

    Ninguém é culpado até trânsito julgado. Exposição desnecessária. Igual Selma fazia. Tanto que a vítima foi solta senão me engano, hoje. Hastaglulalivre

  • herminia Andrade fontoura
    25 Out 2019 às 12:04

    Zilmar: onde eu acho o ze das couve? faz tempo q ele num passa aqui no minha rua! pensei que ele tinha se mudado mesmo la pro copamil?

  • Zilmar
    25 Out 2019 às 11:41

    Todo dia tem "Zé das couves" sendo preso e exposto e nunca vi juiz criticar que foi exposição desnecessária.

  • Luciana
    25 Out 2019 às 11:40

    Por esse tipo de atitude e outras pirotecnias que foi aprovada a lei de abuso de autoridade,fez se necessária uma lei que limite esses policiais ou autoridades coatoras!!!

  • Tiago Silva
    25 Out 2019 às 10:58

    Essa justiça brasileira é uma vergonha, uma inversão de valores. Ao invés de focar no crime e nas vitimas, ficam babaricando bandido. Na próxima vez que soltar, dão mais dinheiro da educação então, são vitimas da sociedade mesmo, coitadinho deles, tem que abastecer o porsche. As crianças podem continuar sem merenda, transporte, sala de aula sucateada, sem agua, sem luz, com calor, livros sucateados e defasados.(Estou sendo irônico, hoje em dia tem que detalhar.)

  • Marina Muller
    25 Out 2019 às 10:53

    Houve exposição desnecessária? Houve. Porém o objeto da ação se perde por conta da exposição? Esta é mais uma demonstração claramente que o crime compensa, ...práticas apuradas não justificam os excessos. Os excessos justificam a liberdade dos acusados? Se não existe risco à ordem pública ou aos andamentos do processo, porque a Excelentíssima Juíza decretou as prisões? A nobre magistrada acha mesmo que essas prisões iriam “ficar resguardadas”? E o princípio da dignidade humana dos alunos das escolas que deveriam ter recebido as tais lousas digitais e programas para auxiliar os professores nas elaborações das aulas onde fica?

  • PRIME
    25 Out 2019 às 10:48

    Bom dia! Quer dizer que NÃO se pode mais expor CRIMINOSO?

Sitevip Internet