Olhar Jurídico

Quinta-feira, 05 de dezembro de 2019

Notícias / Civil

Gol é condenada a indenizar clientes após transtornos em voo e cobrança exorbitante por excesso de bagagem

Da Redação - Vinicius Mendes

28 Out 2019 - 09:04

Foto: Wesley Santiago / Olhar Direto

Gol é condenada a indenizar clientes após transtornos em voo e cobrança exorbitante por excesso de bagagem
A juíza Olinda de Quadros Altomare Castrillon, da 11ª Vara Cível de Cuiabá, condenou a Gol Linhas Aéreas S.A. a indenizar em R$ 33.922,28 seis clientes após atrasos e transtornos em um voo de Manaus a Cuiabá, sem prestação de assistência, além de outros problemas como o não cumprimento de um acordo e cobrança exorbitante de excesso de bagagem.
 
Leia mais:
Advogado diz que conservadorismo do Brasil atrasa avanços medicinais com uso de substância encontrada na maconha
 
A defesa de F.H.L., A.M.S., A.M.S.L., P.I.S.L., S.H.L. e A.O.B. entrou com uma ação indenizatória por danos morais e materiais contra a Gol Linhas Aéreas em decorrência de transtornos envolvendo um voo com trecho Manaus – Cuiabá, com conexão em Brasília.
 
Os autores da ação relatam que no dia do voo fizeram o check-in e o despacho de bagagem, que constou excesso de bagagem no montante de 188 kg, totalizando um valor de R$ 6.662,72, que foi pago por eles. Eles embarcaram no voo, que tinha previsão de chegada às 21h55, mas por questões climáticas o pouso em Brasília ocorreu por volta das 23h.
 
Os clientes foram informados por um funcionário da companhia aérea que para serem realocados no voo de outra empresa naquele mesmo dia haveria um custo adicional e que somente no dia seguinte havia um voo disponível sem custo para eles. No entanto, a empresa não ofereceu acomodação.
 
Eles relatam na ação que firmaram um acordo com a empresa, no qual se ofereceram a arcar com os custos de hospedagem e transporte a um hotel, e em contrapartida a companhia aérea efetuaria o reembolso de todo o valor pago pelo excesso de bagagem, o que acabou confirmado, posteriormente, em uma ligação junto ao SAC da companhia.
 
Porém, os clientes relataram que depois receberam uma ligação da empresa informando que o funcionário que firmou o acordo e determinou o reembolso agiu de forma errada e por isso não haveria reembolso. Por causa disso os clientes decidiram entrar com a ação.
 
Ao analisar os autos a juíza constatou que ficou comprovada que o parâmetro para cobrança de excesso de bagagem estava acima da tarifa utilizada na compra das passagens, sendo que a ANAC estabelece que a taxa cobrada é de até 0,5% da tarifa básica, “Assim, está obrigada a requerida a restituir os valores que extrapolaram os ditames legais”.
 
A magistrada também citou o descumprimento do acordo firmado e o fato da Gol não ter cumprido as determinações da ANAC ao não fornecer a devida assistência aos clientes. Ela também constatou que a Gol não comprovou motivo de força maior que justificasse suas ações e condenou a empresa ao pagamento de R$ 20 mil por danos morais e R$ 13.922,28 por danos materiais.
 
“Destarte, tenho que a situação vivenciada pelos autores decorrente do atraso do voo antecedente, realocação de voo sem o devido suporte e a cobrança exorbitante pelo excesso de bagagem, desconforto, aflição e transtornos a que foram submetidos, por culpa da requerida, é passível de indenização, máxime por ter havido alterações no voo, diversa do contratado”, disse a juíza.

O Olhar Jurídico entrou em contato com a Gol Linhas Aéreas e a empresa disse apenas que "não comenta ações judiciais".

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Paulo Afonso de Camargo
    28 Out 2019 às 20:54

    Adoro ver notícias que nem essa punindo essa Cia aérea por ter passado por cobrança abusiva de excesso de bagagem. Meu desejo é que se arrebentem, se explodam e vão a falência, Cia aérea ladra Gol pra mim nunca mais.

  • Icaro
    28 Out 2019 às 17:38

    Só no Brasil condições climáticas dá processo. A cia aérea está correta, pois nesses casos não é obrigada a acomodar. O vacilo foi o acordo. Agora, devem ser amigos de magistrados, pois a indenização sería no máximo uns 4 a 5 mil.

Sitevip Internet