Olhar Jurídico

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Juiz condena membro de quadrilha que explodia caixas de bancos a 12 anos de prisão, mas absolve 4

Da Redação - Vinicius Mendes

29 Out 2019 - 09:45

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Juiz condena membro de quadrilha que explodia caixas de bancos a 12 anos de prisão, mas absolve 4
O juiz Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, condenou Marco Aurélio Bueno da Silva a 12 anos e quatro meses de prisão em regime fechado pelo crime de explosão e roubo a uma agência do Banco do Brasil no município de São José dos Quatro Marcos (a 309 km de Cuiabá). Os outros denunciados na mesma ação foram absolvidos por falta de provas.
 
Leia mais:
STF nega HC a empresário de MT condenado a 82 anos por tráfico de drogas
 
A ação penal foi proposta pelo Ministério Público contra Baltazar Pereira Leandro Neto (ou Baltazar Luz de Santana, vulgo “Boy”, ou “Leandro Boy”), Jom Petson Figueiredo (alcunha “Jony Louco”), Carlos Alberto da Cruz Matos, Luênio Cézar Rondon Rocha e Marco Aurélio Bueno da Silva, vulgo “Kiko”.
 
Eles foram acusados de explodir e roubar uma agência do Banco do Brasil em São José dos Quatro Marcos, e pelo crime de formação de quadrilha armada. Apenas Marco Aurélio foi condenado pelos crimes, com pena de 12 anos e quatro meses de reclusão em regime inicial fechado, e pagamento de 41 dias/multa. Os demais foram absolvidos por não existir prova suficiente para a condenação.
 
O regime fechado foi fixado em decorrência da reincidência de Marco Aurélio. Ele chegou a ser preso em 2012 em uma operação da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) para desmantelar uma quadrilha que comandou dezenas de explosões de caixas de saques rápidos na capital e interior de Mato Grosso e nas cidades de Campo Grande, Cassilândia (MS), Pimenta Bueno e Cacoal, municípios do estado de Rondônia.
 
Ele também chegou a ser preso em 2015 pelo 10º Batalhão da Polícia Militar ao ser flagrado em uma boate em posse de uma pistola 380, com dez munições. A equipe de policiais foi acionada pelos funcionários do estabelecimento comercial.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Professora de português
    30 Out 2019 às 10:32

    O correto é "há 12 anos".

  • Marcelo
    30 Out 2019 às 10:10

    Absurdo. Juízes totalmente parciais. Ministério público fraco, sem proatividade. O judiciário está corrompido, cheio de interesses escusos. O que menos importa é a sociedade e salvaguardar seus direitos. A polícia vai enxugar gelo até quando? Até quando vamos ver as pessoas de bem serem mortas e seus assassinos soltos? E o pior é que poucos querem ver essa realidade. Só vêem o caos quando a violência chega na sua porta.

  • Raimundo
    30 Out 2019 às 06:02

    Esquenta não, semana que vem o STF libera esse trabalhador como eles falam.

  • Feliciano
    29 Out 2019 às 10:09

    É este o país que nós vivemos, a policia trabalha duro e prende os marginais e a justiça vem e solta os meliantes. Ainda bem que na maioria das vezes os policiais levam a melhor nos confrontos, senão, tudo estaria perdido.

Sitevip Internet