Olhar Jurídico

Domingo, 15 de dezembro de 2019

Notícias / Civil

Nova ação do Ministério Público mira Silval, ex-secretários e construtora

Da Redação - Arthur Santos da Silva

01 Nov 2019 - 16:31

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Nova ação do Ministério Público mira Silval, ex-secretários e construtora
O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) denunciou nesta sexta-feira (1º) o delator premiado e ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, em ação por ato de improbidade administrativa. Há pedido de indisponibilidade de bens no valor de R$ 3,5 milhões.

Leia também 
MPE denuncia Silval, Nadaf, Cursi e mais três por esquema em incentivos

 
No caso, constam também como partes acionadas os ex-secretários de Estado de Infraestrutura, Valdísio Juliano Viriato (delator premiado) e Cinésio Nunes, a construtora Rio Tocantins e seu dono, Rossine Aires Guimarães.
 
Conforme apurado pelo Olhar Jurídico, a ação foi proposta pelo promotor de Justiça Clovis de Almeida Junior. O caso julga suposto pagamento de propina na ordem de R$ 3,5 milhões. Há pedido de indisponibilidade. 
 
Recentemente a Controladoria-Geral do Estado (CGE) instaurou Procedimentos Administrativos de Responsabilização contra algumas empresas acusadas pelo ex-governador Silval Barbosa, em delação premiada, de terem participado de supostos esquemas de desvios. Entre elas estava a construtora Rio Tocantins.
 
Reportagem da revista época, datada de 2012, apontou que a empreiteira Rio Tocantins era ligada ao contraventor Carlinhos Cachoeira. De acordo com a revista, a construtora possuía contratos com o governo em Mato Grosso para prestação de serviços nas loterias do Estado, no aluguel de carros e na execução do programa federal de habitação Minha Casa, Minha Vida.

Outro processo

Processos contra o ex-governador se acumulam. O Olhar Jurídico noticiou ontem que Ministério Público o ex-governador, seu irmão Antonio Barbosa e os ex-secretários de Estado Pedro Nadaf e Marcel de Cursi pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. O esquema envolve o recebimento de R$ 1,9 milhão em propina em troca de incentivos fiscais.
 

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marcos Paulo
    02 Nov 2019 às 13:28

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Raul
    02 Nov 2019 às 10:32

    MAS E AÇÃO DO MAURO CARVALHO? NÃO AFASTA? E A DENÚNCIA?

  • Raul
    02 Nov 2019 às 10:32

    MAS E AÇÃO DO MAURO CARVALHO? NÃO AFASTA? E A DENÚNCIA?

  • Rene
    02 Nov 2019 às 07:21

    QUEM PAGA PARA ESQUECER MAURO CARVALHO E COMO DIZ MAURO OFERECER DENÚNCIA É UMA COISA. LEMBRANDO QUE OS JUIZES QUE LÁ ESTÃO SÃO PESSOAS QUE SEGUEM A LEI E NÃO JOGAM PARA A GALERA.

  • Gladston Ferreira Neves
    01 Nov 2019 às 19:18

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet