Olhar Jurídico

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Juiz retira sigilo de inquéritos policiais dos 'grampos' e determina reforço na investigação

Da Redação - Patrícia Neves

06 Nov 2019 - 14:51

Foto: Reprodução

Juiz retira sigilo de inquéritos policiais dos 'grampos' e determina reforço na investigação
O juiz Jorge Tadeu Rodrigues, da 7ª Vara Criminal, retirou o sigilo de inquéritos policiais que apuram um esquema de escutas ilegais em Mato Grosso. A decisão, de acordo com magistrado, atende aos “anseios da sociedade”.

“Público e notório que a sociedade mato-grossense clama pela entrega da prestação jurisdicional, com o deslinde dos fatos (interceptação telefônica ilegal) que deram origem a chamada “Grampolândia”, cita em trecho da decisão. 

Leia Mais:
Coronéis afirmam que Pedro Taques deu ordem para destruir equipamentos dos grampos

O magistrado ainda cita que a medida “deixará às claras as atuações das várias instituições responsáveis pela apuração”. 

Ele também determinou ao diretor da Polícia Civil para que reforce a equipe especial designada para apurar os eventuais delitos perpetrados para que o caso seja concluído rapidamente.  No último dia 11 de setembro, a delegada da Ana Cristina Feldner passou a coordenar o grupo que conduz os inquéritos policiais sobre o escândalo. Ela substituiu o delegado Rafael Scatalon. A delegada  Jannira Laranjeira Siqueira Moura também integra a equipe responsável pelas investigações.

 
Ainda segundo o magistrado, havendo interceptações telefônicas e gravações de
conteúdo pessoal (particular), deverá ser mantido o sigilo das mídias "de modo  que deverão ser desentranhadas dos respectivos autos, formando um incidente a parte".

"Com relação a este respectivo incidente, autorizo o acesso somente as autoridades policiais, ao Ministério Público e advogado da parte (com procuração), em relação tão somente as mídias relativas a parte que representa".

O ex-governador Pedro Taques é apontado como sendo o principal interessado no esquema. Ao Olhar Direto, na última terça-feira (5), o  ex-governador Pedro Taques (PSDB) rebateu as acusações feitas pelos ex-comandante da Polícia Militar coronel Zaqueu Barbosa e o ex-chefe da Casa Militar coronel Evandro Lesco perante a Polícia Civil.  Ambos afirmaram que partiu do tucano a ordem para destruir as placas supostamente usadas para realizar os grampos ilegais em adversários políticos e desafetos. Segundo o ex-chefe do Executivo, a cada dia os coronéis contam uma "versão diferente".

O esquema:

Reportagem do programa "Fantástico", da Rede Globo, revelou na noite de 14 de maio  de 2017 que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crime.
 
A matéria destacou como vítimas a deputada estadual Janaína Riva (PMDB), o advogado José do Patrocínio e o jornalista José Marcondes, conhecido como Muvuca. Eles são apenas alguns dos “monitorados”.
 
O esquema de “arapongagem” já havia vazado na imprensa local após o início da apuração de Fantástico.

 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Léo Paranhos
    07 Nov 2019 às 13:00

    Todos contra o cabo, que por enquanto está mantendo 90% do seu depoimento verdadeiro.

  • Monteiro
    07 Nov 2019 às 09:32

    Se Pedro Taques não fosse ex procurador da República com certeza já teria sido preso,para o cidadão comum a chibata é mais forte!!

Sitevip Internet