Olhar Jurídico

Domingo, 08 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Mesmo perdoado, cabo Gerson recorre em busca de absolvição na Grampolândia

Da Redação - Arthur Santos da Silva

13 Nov 2019 - 10:49

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Mesmo perdoado, cabo Gerson recorre em busca de absolvição na Grampolândia
Os advogados Neyman Monteiro e Eurolino Reis recorreram no dia 12 de novembro para que o cabo da Polícia Militar em Mato Grosso (PM-MT), Gerson Correa Junior, seja absolvido no caso conhecido como Grampolândia Pantaneira.

Leia também 
Faleiros crê em ações de 'contrainteligência' para atrapalhar investigações dos grampos

 
O réu, julgado na Décima Primeira Vara Criminal de Cuiabá, especializada em Justiça Militar, foi beneficiado com perdão judicial após reconhecimento de delação premiada unilateral. A defesa, porém, considera importante a absolvição, ou seja, o reconhecimento de que não houve crime.
 
A apelação de Gerson serve também para combater recurso semelhante do Ministério Público. O órgão pede o reexame do processo, visando desfazer o perdão judicial. Maiores argumentações por parte dos advogados e do MPE serão apresentadas em fase futura.
 
“Salienta-se, porque necessário, que a interposição de Apelação, embora o Colendo Conselho da Justiça Militar tenha concedido o Perdão Judicial, sustenta-se no fato de que, em eventual interposição de Apelo pelo Ministério Público e, eventual decisão desfavorável ao Peticionário, a manutenção da condenação se tornaria definitiva com trânsito em julgado”, explicou a defesa.
 
Sentença
 
Na noite de quinta-feira, sete de novembro, o conselho de sentença da Justiça Militar, por maioria, concedeu perdão judicial a Gerson, considerando a colaboração feita ao processo. 

O coronéis Evandro Alexandre Ferraz Lesco e Ronelson Jorge de Barros, e o tenente-coronel Januário Antônio Batista  foram absolvidos. 

Por unanimidade, o conselho condenou o coronel Zaqueu Barbosa a pena de 8 anos em regime inicial semiaberto.
 
O esquema

Reportagem do programa Fantástico, da Rede Globo, revelou que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas.
 
A matéria destacou como vítimas a deputada estadual Janaína Riva (MDB), o advogado José do Patrocínio e o jornalista José Marcondes, conhecido como Muvuca. Eles são apenas alguns dos “monitorados”, dentre médicos, empresários e funcionários públicos.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet