Olhar Jurídico

Domingo, 08 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

TJ mantém preso suposto membro de organização criminosa que produziu R$ 337 milhões em notas frias

Da Redação - Arthur Santos da Silva

13 Nov 2019 - 16:21

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Rondon Bassil

Rondon Bassil

A Terceira Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) manteve prisão preventiva decretada contra Marcelo Weber Gromann, acusado de compor organização criminosa para emissão de notas frias no valor de R$ 337 milhões. O esquema foi desmantelado no dia nove de outubro pela Operação Fake Paper.

Leia também 
Perri vê acerto em decisão do STF, mas aguarda proposta sobre trânsito em julgado no segundo grau


O julgamento colegiado foi realizado nesta quarta-feira (13), sob relatoria do desembargador Rondon Bassil.  Acompanharam o relator, mantendo prisão, os desembargadores Gilberto Giraldelli e Juvenal Pereira. A defesa busca pela aplicação de medidas cautelares menos gravosas.
 
Na operação Fake Paper, além de Marcelo foram expedidos mandados de prisão contra mais oito pessoas. As notas frias causavam danos no Fundo de Participação dos Municípios e o Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab).
 
Os alvos da operação são suspeitos da prática de crimes contra a ordem tributária e supostamente criaram uma organização criminosa que promovia a falsificação de documentos públicos, de selo público e uso de documentos falsos para emissão de notas fiscais frias que eram utilizadas por produtores rurais e empresas nos crimes de sonegação fiscal. Além disso, o esquema possibilitou a prática de crimes não tributários, como a fraude a licitação.
 
O esquema criado pelo grupo criminoso operava com um núcleo instalado em Cuiabá que fazia emissão das notas frias, além de outros integrantes que trabalhavam cooptando produtores e ofertando os serviços da organização.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet