Olhar Jurídico

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Justiça solta médico, impõe tornozeleira e vítima de violência recebe botão do pânico

Da Redação - Arthur Santos da Silva

22 Nov 2019 - 09:34

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Justiça solta médico, impõe tornozeleira e vítima de violência recebe botão do pânico
A juíza Ana Graziela Vaz de Campos Alves Correa, da Primeira Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Cuiabá, revogou a prisão preventiva decretada contra o médico Emilson Miranda Junior, acusado, mais uma vez, de crimes de ameaça e lesão corporal, conforme previsto na Lei Maria da Penha.

Leia também 
Justiça revoga fiança após professora que atropelou criança comprovar salário de R$ 2 mil

 
A decisão, datada de quinta-feira (21), impõe a necessidade de tornozeleira eletrônica. Emilson deve permanecer no mínimo 500 metros longe da vítima. Ela receberá um dispositivo chamado “botão do pânico” para que haja comunicação imediata em caso de descumprimento.
 
O mandado de prisão, expedido pela Primeira Vara, foi cumprido no dia 12 de novembro pela Delegacia Especializada de Defesa da Mulher. O acusado foi ouvido no inquérito policial e depois encaminhado para audiência de custódia da Justiça, ocasião em que teve a prisão mantida.
 
Outro caso
 
O suspeito responde a outros inquéritos instaurados pela Delegacia da Mulher de Cuiabá. Em fevereiro deste ano, Emilson Miranda Junior foi preso após uma empresária realizar denúncia contra ele.

Ela relatou no boletim de ocorrências que estava na casa do namorado, quando teve início uma discussão. O médico então teria começado a xingá-la e depois partiu para a agressão física, atacando-a com socos na cabeça, boca, puxões de cabelo, tapas e também puxando sua orelha.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Dayana Alessandra Barbosa
    22 Nov 2019 às 17:11

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Gladston
    22 Nov 2019 às 16:27

    A justiça poderia dar uma arma para essa mulher se defender, seria mais eficiente e também mais justo.

  • DOMINGOS SANTANA DA CRUZ
    22 Nov 2019 às 14:31

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Manoel Olegário
    22 Nov 2019 às 14:15

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • observo
    22 Nov 2019 às 10:24

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • ATÉQUEENFIM
    22 Nov 2019 às 10:13

    Pois é.. reincidente e mesmo assim soltam!! Depois que matar alguém aí só vai restar lamentar e se indignar com a nossa "justiça"... Revoltante!!

  • Yasmim
    22 Nov 2019 às 09:48

    Se fosse um Zé Ninguém, ficava preso pelo menos uns 3 meses.

Sitevip Internet