Olhar Jurídico

Domingo, 08 de dezembro de 2019

Notícias / Civil

Juiz recebe ação contra Nadaf por superfaturamento de 170% em compra de livros

Da Redação - Arthur Santos da Silva

22 Nov 2019 - 13:58

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juiz recebe ação contra Nadaf por superfaturamento de 170% em compra de livros
O juiz Bruno D'Oliveira Marques, da Vara especializada em Ação Cível Pública de Cuiabá, recebeu ação de improbidade administrativa com pedido de ressarcimento contra o ex-secretário de Estado e atual delator premiado, Pedro Nadaf. A decisão, do começo de novembro, atinge ainda mais duas pessoas e uma empresa.

Leia também 
Justiça bloqueia R$ 860 mil em bens de Pedro Nadaf, empresário e ex-adjunto

 
Também são acionados o ex-secretário adjunto, Márcio Luiz de Mesquita, o empresário Evandro Gustavo Pontes da Silva, e sua gráfica, a Intergraf – E.G.P da Silva ME.
 
Segundo processo, houve cometimento de ato de improbidade administrativa na aquisição de três mil exemplares de livros referentes ao Balanço Energético de Mato Grosso, para atender a demanda da Secretaria de Estado de Indústria, Comércio, Minas e Energia, então liderada por Pedro Nadaf.
 
A compra ocorreu por intermédio de pregão presencial, ao custo de, à época dos fatos, R$ 786 mil. A empresa vencedora da licitação foi a gráfica Intergraf. Segundo o Ministério Público, a contratação foi feita com preço superestimado em 170%.

Foi possível colher orçamento semelhante em empresa concorrente no valor de R$ 291 mil. O MPE sustenta ainda que não existe prova de que tenha ocorrido a efetiva entrega dos exemplares do balanço contratado e pago.
 
Na decisão, o juiz explicou que o processo deve ser recebido em “havendo indícios suficientes da existência do ato de improbidado”, reservando-se o exame aprofundado da causa para a fase processual própria.
 
No caso em exame, estão juntados documentos de procedimento administrativo iniciado e concluído no ano de 2012 de onde se abstrai que Márcio Luiz de Mesquita homologou ‘Plano de Trabalho’ que justificava a necessidade de contratação de serviços gráficos para a confecção de 3 mil livros referentes ao ‘Balanço Energético do Estado de Mato Grosso’. Ou seja, há indícios mínimos de improbidade.

“Portanto, tendo os requeridos incorrido em prática de atos que, em princípio, subsumem-se às condutas ímprobas descritas na inicial pelo autor, estando, ainda, a petição inicial apta, a hipótese é de recebimento da ação civil pública, com a instauração do contraditório, oportunizando-se a abertura da fase probatória, momento próprio para a análise aprofundada das matérias de mérito suscitadas”, finalizou o magistrado.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet