Olhar Jurídico

Quarta-feira, 23 de setembro de 2020

Notícias / Criminal

Justiça desmembra investigações contra Maggi, Antonio Joaquim, lavagem no Bic Banco e mensalinho

Da Redação - Arthur Santos da Silva

06 Dez 2019 - 11:39

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Antônio Joaquim, conselheiro do Tribunal de Contas

Antônio Joaquim, conselheiro do Tribunal de Contas

O juiz Jeferson Schneider, da Quinta Vara da Justiça Federal em Mato Grosso, acatou pedido do Ministério Público Federal (MPF) e determinou o desmembramento de quatro investigações provenientes da delação premiada firmada pelo ex-governador Silval Barbosa. As investigações estavam sendo desenvolvidas em conjunto após declínio de competência do Supremo Tribunal Federal (STF), decisão do então relator Luiz Fux.

Leia também 
Jackson Coutinho toma posse como juiz-membro titular do Tribunal Regional Eleitoral

 
“Intime-se a autoridade policial para que se processa ao desmembramento do presente inquérito, instaurando-se novos inquéritos policiais apartados para cada um dos casos declinados pelo Supremo Tribunal Federal, a serem distribuídos por dependência ao presente por meio da rotina ‘novo processo incidental’”, decidiu no dia 28 de novembro.
 
A medida foi adotada para fins de eficiência da investigação, uma vez que são fatos autônomos entre si. O MPF também se preocupou com o melhor resguardo do sigilo, uma vez que cada caso será acessado apenas pelos envolvidos.

A primeira investigação a ser desmembrada é descrita como “tentativas de Blairo Maggi de interferir na investigação denominada Operação Ararath, entre os anos de 2014 a 2017”.
 
Conforme informado, Maggi teria indicado o advogado Sebastião Monteiro para uniformizar as defesas de todos os investigados na Operação Ararath. Há ainda informações sobre suposta compra de silêncio do ex-secretário de Casa Civil, Eder Moraes, por R$ 6 milhões.

O segundo caso desmembrado tem como investigado Antônio Joaquim, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT). Em 2012, Joaquim participou, segundo o MPF, de esquema de lavagem de capitais com Silval Barbosa e o empresário Wanderley Fachetti Torres.
 
Outro caso alvo de pedido de desmembramento para investigação separada versa sobre pagamento de mensalinhos a deputados e ex-deputados. são investigado Ezequiel Angelo Fonseca, José Domingos Fraga Filho, Herminio Barreto, Luiz Marinho de Souza Botelho, Airton Rondina Luiz, Emanuel Pinheiro, Luciane Bezerra, Alexandre César, Gilmar Fabris, Carlos Antonio Azambuja, Jose Joaquim de Souza Filho, Herminio Barreto, Silvano Amaral, Romoaldo Junior, Wagner Ramos, Oscar Bezerra, Silval Barbosa, Antonio Barbosa, Rodrigo Barbosa e Sílvio Cesar Correa Araújo.
 
Por fim, o quarto inquérito desmembrado tem como investigado Blairo Borges Maggi, Valdir Agostinho Piran, Silval da Cunha Barbosa, Genir Martelli, Pedro Nadaf, Wanderley Fachetti Torres, José Bezerra de Menezes, Marcel Souza de Cursi, José Geraldo Nonino, Carlos Avalone e Marcelo Avalone.
 
Investigação trata sobre empréstimos junta a instituição financeira Bic Banco.
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet