Olhar Jurídico

Domingo, 26 de janeiro de 2020

Notícias / Criminal

Justiça mantém Gaeco em processo da Operação Rêmora e marca nova audiência

Da Redação - Arthur Santos da Silva

10 Dez 2019 - 10:48

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Ulisses Rabaneda

Ulisses Rabaneda

A juíza Ana Cristina Mendes, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, indeferiu pedido do advogado Ulisses Rabaneda e reconheceu a competência do Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) para atuar em um dos processos provenientes da Operação Rêmora, por fraudes na Secretaria de Educação de Mato Grosso (Seduc).

Leia também 
Ex-deputado recorre ao STF para trancar processo da operação Rêmora, por fraudes na Seduc
 

A decisão foi estabelecida durante audiência de instrução ocorrida na segunda-feira (9). Testemunhas foram ouvidas. Nova audiência também foi marcada para o dia três de fevereiro de 2020.
 
A ação penal teve origem na Operação Rêmora, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) em 2016 para investigar fraudes em licitações e contratos administrativos de construção e reforma de escolas.
 
Segundo o Gaeco, as irregularidades começaram em 2015 e envolveram pelo menos 23 obras e um total de R$ 56 milhões em recursos públicos.
 
São acionados Leonardo Guimarães Rodrigues, Moises Feltrin, Joel de Barros Fagundes Filho, Esper Haddad Neto, José Eduardo Nascimento da Silva, Luiz Carlos Ioris, Celso Cunha Ferraz, Clarice Maria da Rocha, Eder Alberto Francisco Meciano, Dilermano Sergio Chaves, Flavio Geraldo de Azevedo, Júlio Hirochi Yamamoto Filho, Sylvio Piva, Maria Lourenço Salem, Slexandre da Costa Rondon, Benedito Sergio Sssunção Santos e Leonardo Botelho Leite.
 
Alegação de Ulisses

 
O advogado Ulisses Rabaneda tentou demostrar que houve ofensa ao princípio do promotor natural, argumentando que a atuação dos promotores de Justiça do Gaeco na fase instrutória da ação penal se deu de maneira irregular. O Gaeco não pode, segundo Rabaneda, atuar sozinho depois do oferecimento da denúncia em processos.
 
Rabaneda atua na defesa de Joel de Barros Fagundes Filho. Conforme relatório da audiência ocorrida no dia nove de dezembro, o juízo já reconheceu no processo, em momento anterior, a atribuição do Gaeco para a atuação nos autos. Ou seja, não há o que ser questionado. 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • José
    10 Dez 2019 às 16:12

    Se preocupe não processo que tem políticos envolvidos leva no mínimo 20 anos para assar a pizza

  • José lopes
    10 Dez 2019 às 11:44

    Sabe o acho engraçado, é que fazem esse espetáculo que não acaba mais, depois ninguém vai pra cadeia. Kkkkl

Sitevip Internet