Olhar Jurídico

Sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Notícias / Eleitoral

TRE aguarda testemunhas para decidir se quebra sigilo de Bezerra, secretário do MDB e empresas

Da Redação - Arthur Santos da Silva

10 Jan 2020 - 15:53

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

TRE aguarda testemunhas para decidir se quebra sigilo de Bezerra, secretário do MDB e empresas
O juiz Luís Aparecido Bortolussi Júnior, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), decidiu nesta sexta-feira (10) adiar julgamento sobre possível quebra de sigilo do deputado federal Carlos Bezerra (MDB). A medida faz parte de requerimento do Ministério Público em representação que pode causar cassação de mandato.

Leia também 
Após rebater PSD, senadora cassada repete argumento contra pedido de Mendes para empossar Fávaro

 
Ao postergar o exame, o magistrado esclareceu que a instrução processual ainda está em curso, restando pendente oitiva de um fornecedor de campanha, bem como a inquirição de duas testemunhas ligadas a Bezerra. A quebra de sigilo será reexaminada após as oitivas marcadas para o dia 11 de fevereiro. . 
 
“Diante da excepcionalidade da medida de quebra de sigilo pleiteada pelo Ministério Público Eleitoral, visando melhor coligir e ponderar os fatos e as provas processuais até então produzidas, postergo a apreciação do requerimento de ruptura do sigilo de dados bancários para após da finalização da oitiva das testemunhas”. 
 
A Procuradoria Regional Eleitoral representou Bezerra por arrecadação e gastos ilícitos de recursos na campanha de 2018. Na prestação de contas, foi declarado o total de recursos recebidos de R$ 1,883 milhão e despesas contratadas de R$ 1,791 milhão.

De acordo com parecer técnico, o representado apresentou a prestação de contas com graves infrações de arrecadação e gastos de recursos. Entre as irregularidades, destacam-se o número de pessoas ligadas à campanha e não declaradas, veículos e abastecimentos não contabilizados, além da malversação de recursos públicos oriundos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha.
 
Além de Bezerra, a quebra de sigilo visa atingir Rafael Bello Bastos, secretário-geral do MDB em Mato Grosso, além de Carlos Antônio Ribeiro da Paixão. Seis empresas também são alvos.

Livramento

Bezerra já se livrou de uma ação que pedia sua cassação em 2019. Inicialmente o Ministério Público alegou que no dia 2 de setembro de 2018 o prefeito de Nova Xavantina (607 km de Cuiabá), em solenidade de entrega de títulos definitivos de propriedade junto do Incra, utilizou-se do fato para promover a então candidatura de Bezerra. O TRE não viu culpa do parlamentar e o inocentou. 

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • CURIOSO
    13 Jan 2020 às 07:22

    ESSE CARA NÃO VAI PERDER O MANDATO NUNCA , RAPOSA VELHA

  • Aderbal Siqueira
    11 Jan 2020 às 22:49

    Queria que voltassem até a época da Cemat nessas buscas.

  • Moacir
    11 Jan 2020 às 11:09

    Pelo amor de Deus eleitores, parem de botar em antiguidades. Aposentem os Campos, Bezerras e toda política antiga do MT. Aposentem também os novatos que só vieram para enriquecer. MT é um estado rico. Mas a riqueza só fica nas mãos de alguns. Dos políticos e agropecuaristas que bem moram aqui.

  • Paulo Matos
    11 Jan 2020 às 00:33

    DA SENADORA FOI A PASSOS DE LEBRE, DO BEZERRA PASSOS DE TARTARUGA!!

  • Elias Souza Magalhães
    10 Jan 2020 às 22:51

    ESSE BEZERRA JÁ DEVERIA TER SIDO EXPULSO DA POLITICA ESTADUAL E NACIONAL. SEMPRE APARECE ENVOLVIDO EM MARACUTAIA. MATO GROSSO PRECISA DE UM NOVO MODELO DE REPRESENTAÇÃO E EXPULSAR OS CORRUPTOS.

  • Jorge kurassaki
    10 Jan 2020 às 16:21

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Carlos
    10 Jan 2020 às 16:18

    Só pra ver se a Justiça Brasileira é tendenciosa, vamos comparar a celeridade do julgamento da Selma Arruda e do Bezerra, tirem suas conclusões, obs: não votei e nem voto em Selma.

Sitevip Internet