Olhar Jurídico

Terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Notícias / Trabalhista

Motorista demitido após dirigir embriagado aciona atacadista, mas é condenado a arcar com multas

Da Redação - Vinicius Mendes

15 Jan 2020 - 10:17

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Sede da Justiça do Trabalho em Cuiabá

Sede da Justiça do Trabalho em Cuiabá

A Justiça do Trabalho de Mato Grosso determinou que o ex-motorista de uma empresa atacadista de Várzea Grande arque com duas multas por direção sob efeito de álcool, que somam R$ 2,6 mil, que ensejaram sua demissão da empresa. O trabalhador entrou com uma ação questionando a dispensa por justa causa, mas no fim a empresa venceu a disputa. A atacadista ainda pediu que o valor das multas, que foi pago por ela, fosse descontado das verbas devidas ao ex-empregado.
 
Leia mais:
MP investiga prefeitura após contratação da banda Chiclete com Banana por R$ 180 mil sem licitação
 
O caso chegou à Justiça do Trabalho por iniciativa do ex-empregado, que questionou a dispensa por justa causa dada pela Casa Domingos após quatro anos de contrato.
 
A atacadista puniu o empregado após receber a notificação de multa por direção sob efeito de álcool, aplicada pela Polícia Rodoviária Federal, e apresentou reconvenção (como se denomina a ação judicial que possibilita que o réu acione o autor no mesmo processo). Nela, requereu que o trabalhador arcasse, a título de danos materiais, com o pagamento de R$ 2,6 mil referentes a duas infrações cometidas pelo motorista e quitadas pela empresa.
 
A sentença, proferida na 1ª Vara do Trabalho de Várzea Grande, manteve a justa causa depois de ficar comprovada a conduta irregular do empregado no trânsito, durante a jornada de trabalho, e ainda reconheceu o dever de o motorista ressarcir os prejuízos causados à empresa.
 
Entretanto, a atacadista recorreu ao Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT/MT) pedindo que o valor deferido em reconvenção fosse compensado na mesma ação trabalhista, sendo descontado das verbas devidas ao ex-empregado por força da sentença.
 
A 2ª Turma deu razão à empresa, ao acompanhar, por unanimidade, o voto da relatora do recurso, desembargadora Beatriz Theodoro, que julgou procedente o pedido de compensação de créditos/débitos das partes, provenientes da reclamação trabalhista e da reconvenção, em atenção ao princípio da economia processual.
 
Conforme explicou a relatora, é dispensável o prosseguimento de duas execuções paralelas no mesmo processo, especialmente porque ambas têm como base a mesma relação jurídica, qual seja, o contrato de trabalho do motorista.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • walter liz
    16 Jan 2020 às 13:55

    pior é que tem gente que acha que o cara esta certo, enche cara de pinga, poe em risco vida dele e de pessoas, é flagrado e ainda quer discutir, decerto foi muita pinga e ainda estava embriagado quando procurou reclamar

  • Milton CPA I
    16 Jan 2020 às 12:34

    Bem feito. Votaram no Bolsonaro? Aguentem caladinhos...

  • PAULA
    15 Jan 2020 às 13:44

    PODE FECHAR MINISTERIO DO TRABALHO, VC INDO VER SEUS DIREITOS LÁ, SAI DECEPCIONADO, TUDO FAVORECE O EMPREGADOR, TRABALHADOR NÃO TEM MAIS DIREITO NENHUM!

  • Alguém
    15 Jan 2020 às 13:28

    Ah tá, calma ai Pedro Mota, o cara em horário de trabalho, é pego dirigindo sob efeito de álcool com o carro da empresa, e vc acha ainda que ele tem razão ? Que é vitima ? Ah me poupe, por pessoas como vc que esse país não vai pra frente.

  • Pedro Mota
    15 Jan 2020 às 11:33

    Graça as ameaças por fechar a Justiça do trabalho e as novas leis, hoje a Justiça do trabalho deixou de servir só o trabalhador. Trabalhador, se você for no papo de advogado, estará ferrado na Justiça Trabalhista.

Sitevip Internet