Olhar Jurídico

Terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

Notícias / Civil

MT e empresa de delator acusado de superfaturar salas móveis buscam conciliação

Da Redação - Arthur Santos da Silva

21 Jan 2020 - 15:30

Foto: Marcus Mesquita/ MidiaNews

MT e empresa de delator acusado de superfaturar salas móveis buscam conciliação
A juíza Celia Regina Vidotti, da Vara especializada em Ação Cível Pública de Cuiabá, marcou para o dia 11 de fevereiro uma audiência de conciliação entre o Estado de Mato Grosso e a empresa Relumat, propriedade do delator premiado Ricardo Sguarezi.

Leia também 
Justiça determina devolução de salas móveis a delator premiado da Rêmora


O objetivo é tentar conciliação em ação sobre superfaturamento no aluguel de salas móveis objeto de quatro contratos firmados entre os anos de 2011 e 2014.
 
A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) firmou pactos com a empresa requerida, mediante dispensa de licitação, para locação de salas de aula móveis, visando atender à necessidade emergencial decorrente de reformas de algumas escolas e aumento da demanda de outras unidades que estavam com excesso de alunos. Mais de R$ 11 milhões foram pagos.
 
Os contratos foram objeto de análise pela Controladoria Geral do Estado, cujo relatório concluiu pela ausência de justificativa em relação a real necessidade da locação de sala de aulas móveis e a existência de sobrepreço, que em comparação com a média de preço para imóveis de padrão assemelhado ao da estrutura das salas móveis, chega a mais de 300%.
 
Ciente das informações, Celia Vidotti deferiu em março de 2017 pedido liminar para determinar suspensão de pagamentos, proibindo também a retirada das salas dos locais até que houvesse substituição sem afetar o calendário de ensino. Ocorre que desde então as salas estão ocupadas, segundo informações do processo.
 
A conciliação servirá para delimitar se ainda existe a necessidade de reembolso do que inicialmente foi superfaturado. O reexame é necessário visto que a Seduc seguiu ocupando as salas mesmo após a suspensão dos pagamentos.
 
“Não há dúvida que o requerente utilizou e continua a utilizar os bens da empresa requerida, que deve ser justamente remunerada, sob pena de enriquecimento ilícito”, afirmou a juíza.
 
A Relumat
 
A  Relumat Construção Ltda é propriedade do delator premiado Ricardo Sguarezi. O colaborador confessou crimes na Secretária de Educação de Mato Grosso no caso que ficou conhecido como Operação Rêmora. Segundo o delator, houve pagamento de propina no aluguel de salas e também em obras de reformas em escolas.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet