Olhar Jurídico

Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Notícias / Eleitoral

TRE muda prazos para regularizar quase 600 mil títulos e evitar ausências em eleição suplementar

Da Redação - Arthur Santos da Silva

22 Jan 2020 - 14:00

Foto: Reprodução

TRE muda prazos para regularizar quase 600 mil títulos e evitar ausências em eleição suplementar
Preocupado com a possível abstenção em Mato Grosso, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) estipulou o dia 21 de fevereiro como limite para regularização dos quase 600 mil títulos cancelados. A data tem ligação direta com a eleição suplementar ao Senado, marcada para ocorrer no dia 26 de abril.

Leia também 
Selma afirma que PSD e Fávaro ameaçam autoridade constitucional do Senado ao pedir posse


Novo nome será escolhido para ocupar a vaga da senadora cassada, Selma Arruda (Pode). A previsão de gasto no novo pleito alcança o montante de R$ 11 milhões. 
 
Segundo o TRE, até dezembro de 2019 Mato Grosso possuía 2,1 milhões de eleitores aptos, 503.718 eleitores com os títulos cancelados e 25.564 suspensos. De lá para cá este número foi atualizado e agora é de 572.887 mil. “Nós temos uma quantidade muito grande de eleitores que estão em situação irregular”, explicou o presidente do TRE, Gilberto Giraldelli.
 
“Pela letra da lei, o fechamento do cadastro eleitoral teria que se dar com 151 dias anteriores à data da eleição. Ou seja, se a eleição, está fixada para se realizar no da 26 de abril, nós teríamos que contar 151 para trás. Daria em novembro. Nós teríamos uma situação bastante difícil, se nós colocarmos o fechamento do cadastro em novembro, nós teríamos eleitores que fizeram a regularização dos seus títulos após novembro, ele não poderia votar”, explicou o desembargado.
 
“Levando em consideração esse grande número de eleitores que ainda não fizeram a regularização biométrica dos seus títulos de eleitores, é que nós, baseados em precedentes, estabelecemos um prazo de 65 dias anteriores à data da eleição para o fechamento do cadastro”, finalizou.
 
Cassação
 

O Plenário do TSE negou, em sessão de dezembro de 2019, o recurso da senadora Selma Arruda e manteve decisão do TRE pela cassação do diploma pela prática de abuso do poder econômico e arrecadação ilícita de recursos nas eleições de 2018.

A decisão foi estabelecida por maioria, com seis votos a um. Apenas Edson Fachin votou por reverter a cassação. O relator determinou a execução imediata do julgado. A corte ainda determinou a realização de uma nova eleição, impedindo a diplomação do terceiro colocado no pleito de 2018, Carlos Fávaro.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • jose
    23 Jan 2020 às 11:52

    O cara não quer votar obrigado. Se insistirem, ele vai votar errado, ou anular o voto. não adianta meia dúzia ter consciência política e os demais "obrigados", usarem a urna como penico.

  • Carlos
    23 Jan 2020 às 08:32

    Olha o tamanho da fraude que tem no número de eleitores em MT, depois que estão fazendo a biometria muitas pessoas até morreram outros nem no país moram mais. Se não compareceu até agora que sejam cancelados imediatamente.

  • DAUZANADES
    22 Jan 2020 às 21:17

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Pe de pano
    22 Jan 2020 às 20:34

    Aproveite melhor seu voto. Digite 00 confirma. Anule seu voto. Ou pague rs 3 de multa. Sai mais barato, assim vc nao se sentira um roubado por uma ma escolha. 00 confirma.

  • Willian
    22 Jan 2020 às 16:20

    Estou apto para votar. Voto porque sou obrigado, afinal hoje em dia exigem comprovante de eleição para tudo e o outro motivo que a escola onde voto fica ao lado da minha casa, só atravessar a rua. Porém, já decidi. Depois de décadas de candidatos ficarem falando dos problemas da saúde, educação, segurança e nada fazerem, muito pelo contrário, essas necessidades estarem cada vez pior, voto nulo. As únicas leis que fazem são para beneficiar o povo do agro, os próprios políticos, banqueiros, juízes, enfim, a alta casta.

Sitevip Internet