Olhar Jurídico

Sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Notícias / Criminal

Promotora diz que PM preso após atirar em mulher tem “personalidade violenta e perigosa”

Da Redação - Vinicius Mendes

25 Jan 2020 - 17:01

Foto: Reprodução

Promotora diz que PM preso após atirar em mulher tem “personalidade violenta e perigosa”
A promotora Élide Manzini de Campos, da Promotoria de Sorriso (a 397 km de Cuiabá), já havia relatado em sua denúncia contra o policial militar Weberth Batista Ribeiro que ele possui “personalidade violenta e perigosa”, típica de quem pratica ou tenta praticar crimes violentos. Ele foi denunciado e chegou a ser preso no ano passado, acusado de extorsão contra um comerciante. Ele foi solto, mas acabou preso novamente no último dia 17, suspeito de atirar no rosto de uma mulher no meio da rua, em Sorriso.
 
Leia mais:
Corregedoria da PM abre procedimento demissório contra PMs que atiraram no rosto de mulher
 
Além de Weberth a promotora também denunciou Aguinaldo Roberto Del Moro, gerente do Supermercado Del Moro, e Reinaldo Rodrigues Lima, vulgo "Tato". Ela narra que Aguinaldo teria contratado Tato para fazer a cobrança de um cheque no valor de R$ 12.400,00, emitido pela vítima, dona de um comércio na cidade. Ele receberia de 25% a 30% de comissão do valor que fosse recebido.
 
Tato, em posse de comprovantes de compras emitidos pelo Supermercado Del Moro, procurou a vítima em seu estabelecimento e no dia seguinte foi à residência dela. Ele se apresentou como “cobrador” do Supermercado Del Moro e que buscava receber da vítima a quantia de R$ 45 mil.
 
A vítima disse que pagaria diretamente à empresa credora e Tato então tentou fazer um acordo, que foi recusado em decorrência dos juros abusivos. Tato depois teria começado a perseguir a vítima e fazer ameaças por Whatsapp.
 
Em outras ocasiões, Tato juntamente com Weberth começaram a fazer campana na residência e no estabelecimento da vítima, tentando intimidá-la a pagar os R$ 45 mil. Em uma dessas oportunidades Weberth teria ido ao estabelecimento da vítima e a chamou para conversar do lado de fora, mas com medo, o comerciante se recusou.
 
O policial então teria entrado no estabelecimento, deu um soco na câmera de segurança e começou a ameaçar a vítima dizendo: “Falta o que para você acertar o negócio lá?", "é bom você ir lá resolver esse negócio agora", "o negócio é o seguinte, você está mexendo com homem, vai lá e resolve isso hoje e presta atenção que agora você está mexendo com homem, aqui é Ribeiro! E vê se não desacredita que aqui é Ribeiro! Aqui é Ribeiro que está falando!", "Agora vê se vai lá e faz o B.O., quero ver se esse B.O. vai te proteger e se esse seu peito é de 'bala'”.
 
Toda a ação foi filmada pelas câmeras de segurança e o áudio das ameaças também foi registrado. Enquanto ameaçava a vítima Weberth colocava a mão em sua arma de fogo. O dono do comércio então teria saído em desespero em direção à Delegacia de Polícia, porém viu que era seguido por Weberth e Tato.
 
A vítima então começou a correr com seu veículo e após a perseguição acabou conseguindo despistar Weberth e Tato. Ele pediu socorro em uma unidade do Corpo de Bombeiros e de lá conseguiu ir até a sede da Promotoria de Sorriso, onde relatou todo o ocorrido.
 
Weberth e Tato acabaram presos no dia 8 de novembro de 2019. A promotora se manifestou pela conversão da prisão temporária dos dois em prisão preventiva. Weberth, porém, acabou sendo solto. No pedido a representante do MP cita que a personalidade dos dois é “violenta e perigosa”.
 
“A periculosidade do agente público juntamente de seu comparsa resta efetivamente clarificada, sobretudo em decorrência dos crimes que lhe são endereçados, o que vem a demonstrar a faceta mais perversa de suas personalidades. De sorte que isso tudo já revela a temibilidade dos representados que tem, por sem dúvidas, personalidades violentas e perigosas, características ínsitas na própria figuração de quem pratica ou tenta praticar crimes destas naturezas”.
 
Corregedoria apura
 
A Corregedoria Geral da Polícia Militar instaurou dois procedimentos de natureza demissória contra os dois soldados da PM, identificados como Ezio Souza Dias e Weberth Batista Ribeiro, que foram presos no último dia 17 acusados de agredir e atirar em uma mulher no município de Sorriso. A prisão em flagrante dos dois foi convertida em preventiva no dia 20 de janeiro.
 
A versão divulgada inicialmente era de que os policiais teriam efetuado disparos de arma de fogo em um bar, mas acabaram atingindo a mulher no rosto e pescoço. Um vídeo que circula na internet, porém, registrou o momento em que os dois policiais passam pela vítima na rua, a agridem e depois um deles dispara contra o rosto dela. A PM então divulgou uma nova nota sobre o caso.
 
Leia a nota da PM na íntegra:
 
A Corregedoria Geral da Polícia Militar informa que embasados das novas informações levantadas e das imagens que chegaram ao conhecimento da PM deverão ser instaurados dois procedimentos relacionados à ocorrência registrada em Sorriso na noite de sexta-feira (17.01), envolvendo dois soldados, na qual um homem foi agredido e uma mulher ferida a tiros na cabeça.
 
Diante da gravidade dos fatos, os procedimentos a serem instaurados deverão ser de natureza demissória fins avaliarem a permanência de ambos nas fileiras da Instituição.
 
A Corregedoria reforça que a prisão em flagrante dos dois soldados assim como apreensão da arma usada foram efetuadas pela Polícia Militar em ação coordenada pelo comandante da unidade local, assim como a entrega deles na Delegacia de Polícia Civil para que pudessem ser autuados em flagrante delito de crime comum. Os dois policiais estavam em horário de folga, não no exercício da atividade policial.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Denilson
    26 Jan 2020 às 05:59

    Uma empresaria emite um cheque de12 mil reais para uma outra empresa e pelo que se depreende estava sem fundos? Um gerente contrata um PM para cobrar o valor do cheque? O PM aceita, o que já é um absurdo, e resolve cobrar e ainda aplica juros por conta propria? Capitalismo, versão bem Mato Grosso. Por isso que meu sonho é morar num lugar como Sorriso.

  • Paulo
    25 Jan 2020 às 21:46

    Tem que ser expulso da corporação só Denigre a imagem da PMMT covardes

  • Monteiro
    25 Jan 2020 às 20:55

    Esses policiais militares e civis que fazem cobranças e às vezes pistolagem é infelizmente uma prática comum em MT e especial em Cuiabá,as autoridades de controle fazem vistas grossas e somente quando acontece tragédia com essa e outras tomam as devidas providências...passa governo entra governo e ninguém do executivo e nem do judiciário enfrenta essa questão de frente!!

  • Ares
    25 Jan 2020 às 18:56

    Se no Brasil tivesse leis de vdd ele já tinha sido expurgado excluído da nossa gloriosa PM há muito tempo infelizmente acho que são as leis mais sem vergonhas safadas do mundo e a cada dia fazem leis para beneficiar ainda mais os criminosos e os políticos corruptos como a famigerada lei de abuso de autoridade por isto que no Brasil tem criminosos demais da conta a cada 10 pessoas que a gente aborda em fundada suspeita 8 tem passagens criminais

  • Elias
    25 Jan 2020 às 18:29

    Até parece novidade essas cobrança...agora é o gerente.ninguem falou nada...contratante foi ele ne.

Sitevip Internet