Olhar Jurídico

Quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Notícias / Criminal

Juíza recebe ação por propina milionária em incentivos e lavagem por simulação de venda de gado

Da Redação - Arthur Santos da Silva

27 Jan 2020 - 11:08

Foto: Reprodução

Juíza recebe ação por propina milionária em incentivos e lavagem por simulação de venda de gado
A juíza Ana Cristina Mendes, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, recebeu processo e tornou réus o ex-governador Silval Barbosa, seu irmão Antonio Barbosa, os ex-secretários de Estado Pedro Nadaf, Marcel de Cursi e mais duas pessoas pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Ação estava em segredo de Justiça. 
 
Leia também
Juiz nega pedido de ex-servidor que buscava juntar cheques em ação sobre cartel de R$ 56 milhões na Seduc


O esquema envolve o recebimento de R$ 1,9 milhão em propina em troca de incentivos fiscais. A transação ocorrida em 2014 foi dissimulada através de um contrato de venda de gado. Inicialmente houve solicitação no valor de R$ 8 milhões.
 
Também foram denunciados o procurador aposentado do Estado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, conhecido como Chico Lima, e empresário Milton Luís Bellincanta, proprietário das empresas Vale Grande Indústria e Comércio de Alimentos (Frialto) e Nortão Industrial de Alimentos.

Segundo o Ministério Público, Bellincanta procurou Silval no Palácio Paiaguás e relatou as dificuldades que enfrentava em relação à majoração da alíquota do ICMS para o segmento de frigoríficos.
 
Silval, por intermédio de Pedro Nadaf, Marcel de Cursi e Francisco Lima, promoveu uma engenharia tributária que reduziu a alíquota das empresas, concedendo o incentivo fiscal do Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic).

O irmão de Silval, Antonio Barbosa, por sua vez, foi responsável pela dissimulação e ocultação da origem e natureza dos pagamentos. De R$ 1,9 milhão em propina, R$ 1 milhão ficou com Silval; R$ 400 mil com Pedro Nadaf; R$ 300 mil com Francisco Lima e R$ 200 mil com Marcel de Cursi.  Bellincanta foi orientado a simulando comercialização de gado entre os envolvidos.
 
Recebimento
 
Em sua decisão, Ana Cistina notou indícios necessários para recebimento do processo. “Verifico presente a justa causa para a instauração da Ação Penal, consubstanciada em prova razoável da existência de Organização Criminosa dentro da administração pública, cuja atuação na presente denúncia, se evidenciou pela fraude realizada nos procedimentos administrativos”.
 
A decisão, do dia 9 de outubro de 2019, ainda não marcou datadas para audiências. Inicialmente o caso estava em segredo de Justiça.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Florinda
    28 Jan 2020 às 09:43

    É com tudo isso, devastaram o MT, até agora MM pagando contas dessa devassaaaa, cadeia que é bom nada.

  • Dona Mariquinha do Verdão!
    28 Jan 2020 às 00:43

    Silval.... abriu a porteira.mesmo!!!

  • Marcos Paulo
    27 Jan 2020 às 17:20

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Igor
    27 Jan 2020 às 15:32

    Esses vagabundos e mais alguns ex todo poderosos do Mato Grossi deveriam estar mofando na cadeia. Cela soldada e encadeada e chave jogada fora. MT está precisando fazer malabarismos para adequar as contas por conta de corrupção, muito em parte praticadas por estes.

  • FIM DO MUNDO
    27 Jan 2020 às 13:32

    O MINISTRO LUIZ FUX, REALMENTE TINHA RAZÃO QUANDO DISSE QUE A ROUBALHEIRA EM MATO GROSSO IA ATÉ O FIM DO MUNDO.

Sitevip Internet