Olhar Jurídico

Quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Notícias / Criminal

Homem que matou e enterrou mulheres em quintal será ouvido pela Justiça em fevereiro

Da Redação - Vinicius Mendes

27 Jan 2020 - 14:03

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Homem que matou e enterrou mulheres em quintal será ouvido pela Justiça em fevereiro
O interrogatório de Adilson Pinto da Fonseca na 2ª Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher foi agendada para o próximo dia 17 de fevereiro. Adilson confessou ter matado e enterrado no quintal de uma casa no bairro Nova Conquista, em Cuiabá, os corpos de Benildes Batista de Almeida e Talissa de Oliveira Ormond.
 
Leia mais:
Homem que enterrou namoradas em quintal era manipulador e fez jantar de despedida para ex
 
Na decisão foi homologado o pedido do Ministério Público pela desistência da oitiva de duas testemunhas. A defesa de Adilson, no entanto, não havia feito o mesmo pedido, e então lhe foi dado para que se manifestasse também sobre o pedido.
 
A audiência de instrução e julgamento foi então designada para o próximo dia 17 de fevereiro, às 16h, para a realização do interrogatório do réu. A Justiça também já solicitou que sejam tomadas as providências necessárias para a escolta de Adilson, que se encontra preso no Centro de Ressocialização de Cuiabá.
 
Busca da família
 
Benildes desapareceu em 17 de dezembro de 2013. Ela morava na cidade de Asturia, na Espanha, e tinha voltado ao Brasil, onde passou cinco meses com a família. Um dia antes dela retornar para a Europa, houve uma discussão com o suspeito, que a matou e enterrou seu corpo no quintal de uma casa no bairro Nova Conquista, em Cuiabá. O suspeito mantinha relacionamento com as duas vítimas.
 
O quintal era o mesmo em que, cinco meses antes, Adilson havia enterrado o corpo de Talissa de Oliveira Ormond, 22 anos. Após a primeira ossada ter sido encontrada, o suspeito acabou confessando as duas mortes e informando onde teria enterrado a segunda vítima.

Sem saber do caso, a família de Benildes acreditou que a mulher havia desaparecido na Espanha, local onde morava. Porém, após contato com a Polícia Federal, descobriu-se que ela não havia deixado o país.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet