Olhar Jurídico

Quinta-feira, 02 de abril de 2020

Notícias / Criminal

Advogado pede compartilhamento de provas sobre grampos para anular ação com ex-primeira-dama

Da Redação - Arthur Santos da Silva

18 Fev 2020 - 10:44

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Advogado pede compartilhamento de provas sobre grampos para anular ação com ex-primeira-dama
O advogado Fabian Feguri formalizou pedido de compartilhamento de provas que embasaram ação na Justiça Militar conhecida como Grampolândia Pantaneira. O empréstimo dos documentos poderá servir aos autos de ação proveniente da Operação Arqueiro e Ouro de Tolo, que julga a ex-primeira-dama Roseli Barbosa e mais um grupo de réus e esquema que desviou R$ 8 milhões. O objetivo é provar que as investigações foram corrompidas por interceptações ilegais.

Leia também 
Justiça condena fazendeiro a 18 anos de prisão por tráfico internacional de cocaína

 
O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) já se manifestou contra o requerimento. O juiz Jorge Tadeu, responsável pela Sétima Vara Criminal de Cuiabá, ainda vai decidir. As operações Arqueiro e Ouro de Tolo investigaram supostas fraudes em convênios, que teriam ocorrido na Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social de Mato Grosso (Setas), até o ano de 2014.

O cabo da Policia Militar (PM) Gerson Correia Junior, réu na Justiça Militar, foi ouvido e prestou informações sobre a denúncia que fez contra o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), acusando o órgão interceptações clandestinas e de manipulação de áudios e vídeos para conseguir força midiática.
 
Na ocasião da Ouro de Tolo, o desembargador Marcos Machado teve conduta questionada após divulgação de uma escuta telefônica com Silval Barbosa, a respeito da soltura da ex-primeira-dama Roseli Barbosa, presa justamente na Operação Ouro de Tolo.

Os áudios obtidos junto ao Ministério Público foram expostos pela TV Centro América. A reportagem veiculou um diálogo suspeito entre as partes, gerando especulações sobre possível favorecimento. 
 
Grampolândia
 
A ação penal na Justiça Militar proveniente da Grampolândia pantaneira já foi sentenciada. Apenas um dos cinco militares acusados de operacionalização de um esquema de grampos clandestinos em Mato Grosso foi condenado. O coronel Zaqueu Barbosa cumprirá pena de 8 anos.
 
Gerson Correia recebeu perdão judicial pela colaboração unilateral durante o processo.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet