Olhar Jurídico

Terça-feira, 31 de março de 2020

Notícias / Criminal

STJ nega retorno de conselheiros afastados do Tribunal de Contas

Da Redação - Arthur Santos da Silva

19 Fev 2020 - 15:02

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

STJ nega retorno de conselheiros afastados do Tribunal de Contas
O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou nesta quarta-feira (19) recurso que buscava pelo retorno dos conselheiros afastados do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT). 

Leia também 
Gaeco prende acusado de tráfico de maconha no transporte de grãos e apreende R$ 1,5 milhão em drogas


A decisão de forma unânime foi estabelecida pelo colegiado da Corte Especial, sob relatoria do ministro Raul Araújo. O julgamento não é transmitido e só pode ser acompanhado de forma presencial. 

O Olhar Jurídico manteve contato com advogados que acompanharam o julgamento em Brasília. As defesas aguardarão a publicação da decisão para que o próximo passo no processo seja estudado. Ainda cabe recurso. 

José Carlos Novelli, Antônio Joaquim Moraes, Waldir Júlio Teis, Walter Albano da Silva e Sérgio Ricardo de Almeida, nomes envolvidos na Operação Malebolge, fase da Operação Ararath, seguem tentando restabelecer suas rotinas de trabalho.

O dia 14 de setembro de 2017 trouxe a surpresa dos afastamentos e de diversas buscas e apreensões. A operação cumpriu ordem assinada pelo ministro Luiz Fux no dia 31 de agosto de 2017.

Os conselheiros são acusados pela prática dos delitos de corrupção passiva, sonegação de renda, lavagem de dinheiro e organização criminosa. 

Informações são oriundas do acordo de colaboração premiada do ex-secretário de Casa Civil, Pedro Nadaf, e do ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa.

34 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Florinda
    20 Fev 2020 às 14:19

    Ohhhh! deviam ser exonerados em definitivo, esperar pra que mais seis meses essas pessoas ganhando salários altíssimos na nossa custa.

  • rocha
    20 Fev 2020 às 11:25

    Fiquem tranquilos o gilmar vai resolver la no STF kkkkkkkk

  • AVANÇA MT
    20 Fev 2020 às 10:02

    ESSES TCES DO PAÍS NO CUSTAM BILHÕES SÃO CARGOS PARA POLÍTICOS E SEUS APADRINHADOS, FISCALIZAM AS CONTAS DELES MESMOS É UMA PIADA, DEVERIAM SER PESSOAS IDONEAS PARA OCUPAR ESSES CARGOS POR CONCURSO

  • bartolomeu garcia duarte filho
    20 Fev 2020 às 09:56

    os conselheiros estão achando ruim, pois ficam em casa e recebem os salários completos, com verba indenizatórias e ajudas de custo, vivem viajando, sera que estão preocupados, tem cortar o salários desses corruptos

  • joao
    20 Fev 2020 às 09:45

    TEM SIM FUNCIONARIO PUBLICO QUE CONTINUA RECEBENDO SIM, ESTA PRESO DESDE 2014 ARTIGO 213 MAS RECORREU DA CONDENAÇÃO E CONTINUA RECEBENDO ISSO É BRASIL.

  • joao
    20 Fev 2020 às 09:41

    A FARRA ME PARECE QUE ACABOU, MP FICA DE OLHO POIS ESTAMOS NO BRASIL.

  • vicente
    20 Fev 2020 às 07:53

    aqui na roça noes chama esses tar de conselheiro de outro nome

  • Jorge arantes
    20 Fev 2020 às 06:31

    Esse órgão é um cabide de emprego. Tinha que acabar esses tribunal não passa de tribunal faz de contas. Nunca vai mudar esse é o nosso Brasil. Cabide de emprego.

  • NELSON
    20 Fev 2020 às 06:21

    cARAMBA OS CARAS QUERIAM TRABALHAR NO CARNAVAL, NO BRASIL MENOR NÃO PODE TRABALHAR E CONSELHEIRO AFASTADO NÃO PODE CONSELHAR, UM AFASTADO É PUNIÇÃO CINCO AFASTADOS ÉW QUADRILHA MANO

  • Nonato
    20 Fev 2020 às 05:50

    È a justiça divina contra esses deuses fantasiados de paladinos da lei

Sitevip Internet