Olhar Jurídico

Segunda-feira, 06 de abril de 2020

Notícias / Civil

Desembargadora mantém suspensa reintegração de posse em fazenda entregue por Nadaf

Da Redação - Arthur Santos da Silva

22 Fev 2020 - 08:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Desembargadora mantém suspensa reintegração de posse em fazenda entregue por Nadaf
A desembargadora Clarice Claudino manteve suspensa reintegração de posse de fazenda avaliada em R$ 6 milhões incialmente concedida em nome do ex-secretário de Casa Civil, Pedro Nadaf.

Leia também 
Ministério Público cobra instalação de salas de isolamento em Pronto-Socorro

 
Nadaf recorreu a Clarice por meio de agravo de instrumento para barrar decisão da Vara única de Poconé (104 km de Cuiabá), que determinou a suspensão de reintegração de posse de fazenda, em janeiro. Há suspeita de apresentação de documentos falsos.
 
Em sua decisão, a desembargadora explicou que não é necessário a concessão de efeito suspensivo. “Não há prova do perigo de dano ou o risco de afetar o resultado útil do processo em caso de manutenção da decisão objurgada até o julgamento do mérito deste Instrumental. Feitas essas considerações, indefiro o pedido de efeito suspensivo”, explicou.
 
O caso
 
O imóvel, identificado como Fazenda DL, foi entregue em acordo de delação premiada junto ao Ministério Público Federal (MPF).
 
No processo, Nadaf afirma que a fazenda foi invadida pelos pecuaristas Roberto Peregrino Morales e Roberto Peregrino Morales Júnior. O ex-secretário adquiriu o imóvel em 2014.
 
Assim que souberam do acordo de colaboração premiada, conforme Pedro Nadaf, os acusados passaram a fazer ameaças para reaverem a propriedade. A Vara de Poconé chegou a determinar a reintegração em outubro de 2019.

A reconsideração da Vara Única de Poconé, revertendo liminar, foi estabelecida com base em “novos documentos e fatos quais alteraram o cenário”. Contratos de 2018 e 2019 mostram que Pedro Nadaf era arrendador da área.

Haverá perícia para saber se o ex-secretário de Casa Civil utilizou documentos falsos. Audiência foi designada para o dia 13 de maio.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Santiago
    22 Fev 2020 às 14:49

    Uma pessoa dessas é capaz de qualquer coisa para se locupletar. Não importa o custo. Olhe o que ele fez? Como uma pessoa dessa pode ser delator? Só em MT mesmo!

Sitevip Internet