Olhar Jurídico

Quinta-feira, 02 de abril de 2020

Notícias / Criminal

Após um ano desde morte de engenheiro agrônomo, juiz encerra instrução e processo segue para júri

Da Redação - Vinicius Mendes

26 Fev 2020 - 10:49

Foto: Reprodução

Após um ano desde morte de engenheiro agrônomo, juiz encerra instrução e processo segue para júri
O juiz Rafael Depra Panichella, da Vara Única de Porto dos Gaúchos (a 649 km de Cuiabá), encerrou a instrução processual, relativa à primeira fase do procedimento do júri, do caso do assassinato do engenheiro agrônomo Silas Henrique Palmieri Maia, morto a tiros pelo produtor rural Paulo Faruk de Moraes em fevereiro de 2019. O Ministério Público, o assistente de acusação e a defesa agora devem apresentar os memoriais.
 
Leia mais:
Juiz nega novo pedido de revogação de prisão de produtor rural que matou agrônomo com tiro na nuca
 
No início deste mês de fevereiro uma audiência foi realizada com o réu confesso, o produtor rural Paulo Faruk de Moraes. Na ocasião nem o MP ou a defesa do réu fizeram requerimentos e com isso a instrução processual foi encerrada. O juiz ainda determinou o cumprimento de eventuais cartas precatórias ou decisões pendentes.
 
“Independentemente, com o aporte da oitiva das últimas testemunhas, nada mais sendo requerido pelas partes, dou por encerrada a presente instrução processual, relativa a primeira fase do procedimento do júri, devendo-se abrir vista as partes para que, no prazo legal, seja apresentado os respectivos memoriais, na forma sucessiva, iniciando com o Ministério Público, posteriormente ao Assistente de Acusação e, por fim, à defesa. Sendo tudo certificado façam-me os autos conclusos para a respectiva decisão”, determinou o magistrado.
 
O homicídio
 
Segundo uma testemunha que ajudou a socorrer Silas, era aproximadamente 13h00 do dia 18 de fevereiro de 2019 quando ambos (vítima e testemunha) estavam sentados em uma mesa, na lanchonete Fogão a Lenha da Rodoviária do povoado Novo Paraná, município de Porto dos Gaúchos.
 
Em certo momento, sem notar a aproximação, se assustaram com uma pessoa que chegou por trás, sacou uma pistola e efetuou dois ou mais disparos direto na cabeça da vítima, que caiu no chão já sem reação.
 
Em seguida o autor do crime saiu andando em direção ao seu veículo, olhando para trás para se certificar que havia matado à vítima. Imediatamente foi realizado socorro médico no Posto de Saúde daquele povoado, sendo depois a vítima encaminhada para Hospital de Porto dos Gaúchos, mas não sobreviveu.

Silas trabalhava para uma empresa que comercializa insumos agropecuários e teria ido ao município fazer cobranças a Paulo. O suspeito, Paulo Faruk, foi preso depois e confessou o crime.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Salcheado
    28 Fev 2020 às 10:29

    Digo e repito, no Brasil o crime compensa, fico imaginando a família do agrônomo, assassinado de forma covarde e cruel, pelas costas, que além de ter perdido o filho, ainda tem que ver esse bandido, sem ser julgado.

  • Rogério
    27 Fev 2020 às 12:31

    Mato Grosso e Brasil perderam o rumo da civilização.

  • Marcod
    27 Fev 2020 às 11:53

    Porq este mardito fiz isso

  • Leonardo Addor
    27 Fev 2020 às 08:56

    Parabéns juiz

  • josé
    26 Fev 2020 às 14:12

    Um ano para encaminhar a júri, réu confesso, é a Justiça brasileira, o único que paga a pena é a vítima, aliás já pagou.

  • joana
    26 Fev 2020 às 13:25

    e os casos da tenente do corpo de bombeiros, da medica, da influencer e da ex procuradora? em que pe estão?

Sitevip Internet