Olhar Jurídico

Sábado, 04 de abril de 2020

Notícias / Criminal

Oficialmente delator, Riva desiste de todos os recursos em ações criminais e de improbidade

Da Redação - Arthur Santos da Silva

26 Fev 2020 - 17:49

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Oficialmente delator, Riva desiste de todos os recursos em ações criminais e de improbidade
A defesa do ex-deputado estadual José Riva, mais novo delator premiado em Mato Grosso, protocolizou petição desistindo de todos os recursos em ações criminais e de improbidade administrativa. A desistência faz parte dos termos celebrados junto ao Ministério Público (MPE).

Leia também 
Desembargador homologa delação e Riva se compromete a pagar R$ 92 milhões

 
Conforme apurado pelo Olhar Jurídico, o documento datado desta quarta-feira (26), é assinado pelos advogados Almino Afonso Fernandes e Gustavo Lisboa Fernandes. Alvo de centenas de processos, por muitos anos o ex-parlamentar ficou conhecido como o político com a maior ficha-suja do Brasil. A desistência trará agilidade na resolução dos casos.  
 
Endereçada ao desembargador Marcos Machado, responsável por homologar a delação premiada no Tribunal de  Justiça (TJMT), a mesma peça em que José Riva solicita desistência de recursos também pede que novas notificações de processos sejam expedidas somente em nome de Almino e Gustavo.
 
Riva observou sua delação premiada ser homologada no dia 20 de fevereiro. Conforme apurado pelo Olhar Direto, o ex-deputado se comprometeu a indenizar a sociedade em R$ 92 milhões. A primeira parcela deve ser paga até o fim fevereiro. 
 
Riva também deve cumprir prisão domiciliar. 
 
Delação

A colaboração premiada de José Riva apresenta lista com 38 nomes de ex-deputados e deputados que supostamente receberam mensalinho na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Os fatos tiveram início em 1995 e alcançaram montante aproximado de R$ 175 milhões. 
 
Riva também disse ao Ministério Público (MPE) que desde 1995 os deputados estaduais gastaram aproximadamente R$ 40 milhões durante negociações para as eleições da Mesa Diretora.
 
Para comprovar os crimes, o ex-parlamentar apresentou transferências bancárias, depósitos, notas promissórias e testemunhas. 

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Nascimento
    27 Fev 2020 às 07:37

    com 10% do valor, eu também fico em prisão domiciliar, afinal no Brasil o crime "COMPENSA".

  • PEPEU
    27 Fev 2020 às 07:18

    Se vai devolver 92 milhões, quanto será que ROUBOU? E o povo sofrendo pelos cantos da vida.

  • Paulo
    27 Fev 2020 às 06:01

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Maria Rita
    26 Fev 2020 às 23:38

    Já foi condenado.Porque fazer delação premiada agora ?

  • joana
    26 Fev 2020 às 19:06

    ele era considerado o politico com mais processos no brasil, mais de cem se não me engano. todos esses tambem vão ser "esquecidos"? e so vai devolver 92 milhões?

Sitevip Internet