Olhar Jurídico

Sábado, 11 de julho de 2020

Notícias / Civil

Liminar obriga fornecimento de equipamentos de proteção a servidora do Adauto Botelho

Da Redação - Arthur Santos da Silva

28 Mai 2020 - 15:23

Foto: Reprodução

Liminar obriga fornecimento de equipamentos de proteção a servidora do Adauto Botelho
O juiz Onivaldo Budny, da Primeira Vara Especializada da Fazenda Pública de Cuiabá, acatou parcialmente pedido liminar e determinou que o Estado de Mato Grosso forneça os equipamentos de proteção individual (EPI) a uma servidora que trabalha como técnica de enfermagem no Adauto Botelho. A unidade já registrou dois óbitos de trabalhadores em consequência do novo coronavírus.

Leia também 
Selma afirma que OAB deve cassar Campos: ‘vamos ver se pau que bate em Chico bate em Francisco’
 

Segundo os autos, a servidora desenvolve funções como: aferir pressão; coleta de sangue, urina, fezes; limpeza dos leitos; curativos; troca de fraldas; além de administrar medicação. Processo foi assinado pela advogada Ana Lúcia Ricarte.
 
“Imagens apresentadas via Laudo Técnico indicam, aparentemente, que o ambiente laboral carece das condições estruturais necessárias para regular e adequado atendimento hospitalar, de forma que, tanto os profissionais de saúde, quanto os pacientes que ali frequentam sofrem risco eminente de contaminações diversas”, afirmou o juiz.
 
A liminar determinar o fornecimento de materiais como luvas de borracha, óculos de acrílico, avental impermeável, bota ou sapato fechado impermeável, jalecos, calças, máscaras e touca “em quantidade suficiente para uso contínuo enquanto perdurar a função”.
 
A liminar, parcialmente acatada no dia 21 de maio, não alcançou pedido para pagamento imediato de adicional de insalubridade no percentual de 40%.
 
“É inaceitável a forma como o Estado de Mato Grosso vem tratando estes servidores da saúde. São seres humanos que merecem nosso maior respeito. Estamos falando da dignidade dessas pessoas.  Além disso, os profissionais da saúde prestam um serviço essencial para toda a sociedade. É salutar que o Estado abra os olhos para seus servidores e cumpra com a lei”, afirmou Ana Lúcia Ricarte ao ser notificada sobre a decisão.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet