Olhar Jurídico

Quinta-feira, 02 de julho de 2020

Notícias / Geral

Acusado de agredir esposa, presidente da OAB-MT protocola pedido de licença

Da Redação - Vinicius Mendes

01 Jun 2020 - 08:27

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Acusado de agredir esposa, presidente da OAB-MT protocola pedido de licença
O presidente da Seccional de Mato Grosso da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT), o advogado Leonardo Campos, emitiu um comunicado informando que protocolou perante a diretoria do órgão um pedido de licença de 30 dias. Leonardo, que chegou a ser preso acusado de agredir a esposa no último dia 27 de maio, disse que também protocolou um expediente para que a entidade analise o caso.

Leia mais:
OAB diz que acompanhará caso de violência doméstica envolvendo presidente e comunicará Conselho Federal

Leonardo Campos foi preso na noite do último dia 27 de maio em um episódio de violência doméstica contra sua mulher. O advogado acabou sendo solto algumas horas depois.

Na noite de ontem (31) Leonardo publicou nas redes sociais um comunicado informando que protocolou um pedido de licença da OAB-MT de 30 dias para tratar de assuntos particulares. Ele também disse que protocolou um expediente para que a OAB-MT decida sobre o caso, como entender mais adequado.

"Minhas amigas e meus amigos, como sabem, a última semana foi muito dura para mim e minha família. Uma discussão de casal acabou se tornando pública, com contornos e versões que precisam ser melhor apuradas. Como sabem, tomei o cuidado de protocolar perante a OAB-MT um expediente para que a entidade analise o caso e decida como entender mais adequado. Feito isso, informo que na última sexta-feira (29) protocolei perante à diretoria da OAB-MT um pedido de licença da Presidência da instituição por 30 dias, para tratar de assuntos particulares. A OAB-MT, neste período, será Presidida pela Vice-Presidente Gisela Cardoso, com apoio dos demais diretores, com orientações do Conselho Seccional. Espero, sinceramente, que tudo se esclareça". 

O depoimento

Em depoimento à delegada Jannira Laranjeira, a vítima relatou que Leonardo estaria demorando para retornar para casa. Preocupada, ligou e enviou várias mensagens pelo WhatsApp.  

Por volta das 22 horas, Leonardo chegou em casa, segundo ela, embriagado. Com medo, pois ele possui uma arma de fogo na residência, Luciana teria pedido para que ele fosse embora. Ainda naquela noite, Luciana também teria questionado onde Leonardo estava, o que teria motivado ele a lhe dar um "empurrão", conforme descreve o depoimento. 

Cansada das agressões e de andar com roupas de mangas longas, a advogada afirma que revidou com um tapa nas costas de Leonardo. Na ocasião, Leonardo teria pego um celular, começado a filmar e a chamar de “louca, descompensada, desequilibrada”.

Ainda no depoimento, Luciana conta que nunca sofreu ameaças de morte, mas as agressões físicas e psicológicas eram constantes, o que teria motivado o término do casamento. Por querer manter o padrão de vida do filho de 17 anos, ela afirma que teria “superado” os episódios anteriores de violência praticados por Leonardo.

A esposa de Campos alega que apesar de ser sócia em um escritório de advocacia, o presidente da OAB-MT não lhe daria acesso à movimentação financeira. Luciana afirma que a separação irá ajudar somente na agressão física. Ela também relatou ter o sentimento de sempre ter sido “escrava, dependente e submissa ao suspeito”.

Versão do acusado 

Segundo o presidente da Ordem, às 18h do dia 27 seu filho ligou dizendo que Luciana Campos, que também é advogada e filha da desembargadora Maria Helena Póvoas, estava brava por não saber onde ele estava. Ele respondeu dizendo que estava em uma reunião em um escritório de um amigo. 

Mais tarde, já no carro, Leonardo recebeu nova ligação, desta vez de Luciana, mas ignorou. Em seguida, seu filho ligou novamente e disse que não era para ele ir pra casa porque sua mãe estava muito brava. 

Leonardo continuou dizendo que mesmo assim foi pra casa e ao chegar, encontrou a esposa muito alterada, dizendo que ele não tinha avisado onde estava. Ele respondeu dizendo que não queria discussão e, se ela continuasse, ele iria se trancar no quarto. Em seguida, ele foi surpreendido com um empurrão nas costas. Depois disso o filho teria interferido na discussão e teria pedido para a mãe parar de briga. 

Ainda segundo Leonardo, Luciana teria dito: "vou chamar a polícia". Leonardo disse que seria melhor chamar mesmo. "Ótimo, faça isso mesmo", ele conta ter afirmado. Levado até a delegacia por uma viatura da Polícia Militar, ele afimou não se recordar de ter agredido nem verbalmente ou fisicamente a esposa. 

Leonardo ainda disse para a autoridade policial que se recorda que pela manhã a esposa e o filho discutiram e ele teria defendido o filho. E que depois que assumiu a presidência da OAB, em 2016, as brigas são frequentes e que ela não compreende o fato dele ter que passar maioria do tempo entre escritório e OAB. 

Inclusive, Leonardo disse que tomou conhecimento que a esposa entrou com pedido de separação e que ele também quer o fim do casamento. 

Tudo isso foi colocado em documento feito pelo advogado Leonardo Luis Nunes Bernazzolli, pedindo a soltura de Leonardo Campos, para que ele possa se defender em liberdade das acusações de agressões feitas contra a esposa. 

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Jose carlos
    01 Jun 2020 às 15:40

    So tem uma solucao para voce cara..Larga da maldita toma suco e leite..

  • Marcinho
    01 Jun 2020 às 11:45

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Ana Flavia
    01 Jun 2020 às 10:25

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Jorge Luis
    01 Jun 2020 às 10:19

    Se retire do órgão de uma vez, se ainda tiver um pouco de dignidade. A justiça precisa valer sobre você, "nobre e honroso cidadão". Não esqueceremos! Lutaremos pela sua prisão, por justiça!

  • Pedro
    01 Jun 2020 às 09:49

    já pensaram se os políticos fizessem o mesmo e pedissem licença do cargo a cada denuncia! o Brasil seria um pais bem melhor!

Sitevip Internet