Olhar Jurídico

Domingo, 05 de julho de 2020

Notícias / Constitucional

Ministro submete diretamente ao Plenário ação contra normas que taxam exportação de carne

Da Redação - Arthur Santos da Silva

01 Jun 2020 - 14:00

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Ministro submete diretamente ao Plenário ação contra normas que taxam exportação de carne
O ministro Gilmar Mendes, membro do Supremo Tribunal Federal (STF), adotou rito abreviado e determinou que seja julgado diretamente no mérito ação contra normas de Mato Grosso que exigem contribuição sobre exportação de carne bovina.

Leia também 
"Não consigo entender o motivo", diz Selma sobre investigação de empréstimo de R$ 1,5 mi
 

“Considerando a relevância da matéria debatida nos autos, determino a aplicação do art. 12 da Lei 9.868/99. Ouça-se a Advocacia-Geral da União e a Procuradoria-Geral da República, sucessivamente, no prazo de 5 (cinco) dias. Após, voltem os autos conclusos para apreciação do mérito pelo Plenário desta Corte”, despachou o ministro no dia 29 de maio.
 
No caso, a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec) move Ação Direta de inconstitucionalidade contra leis e decretos estaduais de Mato Grosso que exigem a contribuição ao Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) sobre as exportações de carne bovina.
 
Segundo a associação, a contribuição ao fundo seria, na verdade, uma parcela do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) exigida como condição para o gozo da sua não incidência nas exportações, contrariando o artigo 155, parágrafo 2º, inciso X, da Constituição Federal, que veda a cobrança do tributo sobre produtos a serem exportados.
 
A Abiec alega que as regras impugnadas sujeitam o contribuinte que não paga a contribuição ao Fethab nas exportações diretas ou indiretas de carne bovina à incidência e ao cálculo do ICMS a cada operação, e não pelo regime mensal de débito e crédito, nas saídas interestaduais que realizar.
 
 De acordo com a associação, a contribuição ao Fethab equivale hoje a R$ 43,93 por tonelada de carne bovina exportada, e, desde fevereiro de 2019 (quando as normas passaram a vigorar), seus associados exportaram mais de 450 mil toneladas do produto a partir de Mato Grosso.
 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Ronildo
    02 Jun 2020 às 09:17

    Já passou da hora de TAXAR todos os bens exportados pelo BRASIL e suas "provincias"... É uma PATIFARIA impor ao CIDADÃO Brasileiro uma carga tributária de 42% na média sobre todos os bens de consumo, e ISENTAR os "parceiros desgracados" internacionais de pagarem impostos sobre os bens por eles adquiridos... Esse legislação faz com que continuamos PRIMÁRIOS na PRODUÇÃO E MISERÁVEIS no ÍNDICE de DESRNVOLVIMENTO e SOCIAL... As tradings e multinacionais PENETRAM no BRASIL e se ISENTAM de pegar impostos tanto INTERNAMENTE quanto na hora de levar nossos produtos BARATOS pra eles consumirem... CADÊ OS LEGISLADORES QUE DIZEM TER VERGONHA NA CARA é COMPROMISSO COM O BRASIL?????????

  • Rogério
    01 Jun 2020 às 16:41

    Esse ministro parou de altar bandidos não quer mais resolver as coisas sozinho que que foi? Ser que tá com medo do Heleno kkkkkk

Sitevip Internet