Olhar Jurídico

Terça-feira, 14 de julho de 2020

Notícias / Civil

Justiça determina instalação de 15 leitos de UTI em Cáceres

Da Redação - Arthur Santos da Silva

04 Jun 2020 - 16:55

Foto: Reprodução

Justiça determina instalação de 15 leitos de UTI em Cáceres
A 4ª Vara Cível de Cáceres (225km de Cuiabá) julgou procedente no dia três de junho requerimentos para ampliação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) destinados ao tratamento da Covid-19 nos hospitais da cidade. Conforme a decisão judicial, o Estado de Mato Grosso deve providenciar a instalação de 15 leitos de UTI adulto, bem como de 20 leitos de enfermaria, todos devidamente estruturados, com equipes especializadas e protegidas com os equipamentos de proteção individuais (EPIs) pertinentes. 

Leia também 
Ex-deputado Adriano Silva sofre parada cardíaca e morre com suspeita de Covid-19


“Até que sejam implantados referidos leitos, deve o Estado de Mato Grosso dar imediatamente o necessário encaminhamento e tratamento aos pacientes acometidos de Covid-19, sob pena de responsabilidade”, determinou a juíza Joseane Carla Ribeiro Viana Quinto Antunes.

A magistrada estabeleceu ainda que o Poder Executivo Estadual realize estudo epidemiológico/estatístico a respeito da região Oeste, com base em metodologia científica, no prazo de 10 dias úteis. O prazo estabelecido pelo juízo é de 15 dias para início das obras e 40 dias para finalização, sob pena de multa diária no valor de R$ 20 mil e configuração do crime de desobediência. 

“A região de Cáceres apresentará nos próximos 15 dias um aumento que poderá alcançar entre 80 e 110 casos. As projeções de longo prazo apresentam a probabilidade geral que engloba os municípios de toda a Região Oeste Mato-grossense para que o pico de casos ocorra entre os meses de julho e agosto de 2020, em torno de 3.000 casos leves com orientação de isolamento domiciliar e monitoramento pelos profissionais da saúde e atenção primária e vigilância, podendo chegar, de forma acumulada nos 3 meses, 500 hospitalizados predominante de casos moderados que necessitam de acompanhamento e tratamento clínico”, argumentou a juíza. 

De acordo com Boletim Informativo da SES, em 2 de junho Cáceres registrava 34 casos confirmados da doença, sendo 15 casos em monitoramento (isolamento domiciliar), 16 casos recuperados e três óbitos.

“Nota-se que a doença parece estar evoluindo de maneira célere e indesejada no Município, estando nesta data os leitos de UTIs quase próximos a lotação com pacientes da região Oeste. Desse modo, no que tange às evidências dos autos, o pleito liminar há que ser deferido”, afirmou Joseane Antunes.

Luto

No mesmo dia da decisão judicial, faleceu o presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat) e ex-deputado estadual Adriano Silva. Ele estava sendo transportado em uma UTI aérea da cidade de Cáceres para Cuiabá, após apresentar sintomas da Covid-19. Segundo familiares, Adriano estava com mais de 50% do pulmão comprometido. 

Adriano apresentou sintomas da Covid-19 no último domingo (31) e foi submetido a exames na segunda-feira (01). Por indicação médica, ele foi internado no Hospital São Luiz, em Cáceres, mas após apresentar piora e constatado o comprometimento de seus pulmões, a família optou por transferí-lo para um hospital particular em Cuiabá.


 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Dodinha
    06 Jun 2020 às 11:05

    Graças a Deus ordem judicial,quem sabe assim anda as coisas em Cáceres. Quem sabe os gestores da cidade, emcherga o caos que está, quem sabe os vereadores ,encheram o caos que está.

  • Alemao
    04 Jun 2020 às 18:15

    A justiça está passando dos limites em todas as instâncias! Neste caso , por suposições ,a juíza de primeira instância está simplesmente passando por cima das prioridades da secretaria de saúde do MT! Cabe recurso a instância superior por uma decisão estruxula como está!!!

Sitevip Internet