Olhar Jurídico

Sexta-feira, 07 de agosto de 2020

Notícias / Geral

MPF apura repasse de R$ 92 mi do Governo Federal para Cuiabá e MT para combate à Covid-19

Da Redação - Vinicius Mendes

14 Jul 2020 - 09:04

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

MPF apura repasse de R$ 92 mi do Governo Federal para Cuiabá e MT para combate à Covid-19
A procuradora da República Denise Nunes Rocha Slhessarenko instaurou procedimentos administrativos para acompanhar as políticas públicas criadas e a aplicação dos R$ 92,36 milhões enviados pelo Governo Federal a Cuiabá e Mato Grosso para o combate à Covid-19. A legislação determina a publicidade das ações realizadas.

Leia mais:
Cuiabá entra com terceiro recurso no STF contra a quarentena obrigatória

Os membros do Ministério Público Federal em todo o país foram instigados a instaurarem procedimentos com a finalidade de acompanhar a destinação dos recursos enviados pelo Governo Federal para as ações de combate ao coronavírus.

O MPF constatou que, conforme documentos apresentados pelo Tribunal de Contas da União, até 30 de abril de 2020 foram repassados ao Estado e aos municípios de Mato Grosso um total de R$ 92.360.000,00.

A promotora explicou que é dever do gestor dar publicidade ao emprego dos recursos recebidos em carater extraordinário, bem como adotar medidas de transparência quanto às contratações e aquisições para o enfrentamento à pandemia. Ela então instaurou dois procedimentos administrativos no último dia 8 de julho para acompanhar a aplicação dos repasses.

"Converter a Notícia de Fato em procedimento administrativo para acompanhamento de políticas públicas, com objetivo de acompanhar a aplicação dos recursos federais destinados pelo Governo Federal ao Município de Cuiabá para enfrentamento da situação de emergência decorrente da Covid-19, sua adequação às medidas de transparência previstas em lei e a transparência das ações Covid-19 adotadas pelo Município", disse a procuradora na Portaria nº 67.

"Apurar se o Estado de Mato Grosso aplicou de maneira eficiente e hígida os recursos recebidos da União, bem como se publicizou as despesas decorrentesdas ações de saúde no Portal da Transparência, seguindo os princípios da autenticidade, integridade e atualidade das informações", disse a representante do MPF na Portaria nº 63.

O Olhar Jurídico entrou em contato com a assessoria do Governo de Mato Grosso, mas até o momento não houve manifestação.

Nota da Prefeitura

Em relação à demanda do Ministério Público Federal (MPF), a Prefeitura de Cuiabá informa que: 

- Entende a importância da atuação do órgão de controle na preservação do erário e se coloca à disposição para prestar todos os esclarecimentos necessários.

- Destaca que prezando sempre pela lisura e transparência de suas ações, assinou um Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público Estadual, que concede ao MPE acesso direto às contas destinadas ao custeio de todas as aquisições de insumos, produtos, equipamentos usados nas ações de prevenção e mitigação do Covid-19.

- Também neste mesmo caminho, criou no Portal da Transparência um painel exclusivo, onde é possível, de maneira simples, conferir todos as despesas relacionadas ao enfrentamento da Covid-19. 

- No painel é possível conferir todos os contratos de gastos emergenciais, decretos, legislação e outras informações importantes que estão diretamente ligadas à pandemia. 

- Por se tratar de uma ferramenta nova, o painel passa por um constante processo de aperfeiçoamento, visando tornar ainda mais prático o trabalho de controle interno, externo e social. 

- Sempre buscando  a economicidade e a transparência nos atos administrativos, o Município faz um trabalho contínuo de abastecimento à Controladoria Geral do Município com todos os dados, somado ao fortalecimento da harmonia com os órgãos de controle. 

- Por fim, reforça que, desde o início da pandemia, Cuiabá vem adotando todas medidas necessárias para enfrentar o novo coronavírus e continuará se empenhando para garantir o melhor atendimento à população.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet