Olhar Jurídico

Quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Notícias | Eleitoral

segundo turno

Magistrado retira do ar propaganda em que Emanuel qualifica Abílio como 'craque em servidores fantasmas'

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Magistrado retira do ar propaganda em que Emanuel qualifica Abílio como 'craque em servidores fantasmas'
O juiz Geraldo Fidelis, da 1ª Zona Eleitoral de Cuiabá, acatou pedido liminar do candidato ao cargo de prefeito de Cuiabá, Abílio Junior (Podemos), e determinou a retirada de propaganda do atual gestor em busca de reeleição, Emanuel Pinheiro (MDB).  A peça versava afirmava que Abílio “é craque em servidores fantasmas”.

Leia também 
Wellaton tenta impedir vídeo sobre suposta atuação de sua família para desabrigar idosos

 
A propaganda tinha as seguintes acusações proferidas por Emanuel: “eu já combato à corrupção, inclusive de servidores fantasmas que o senhor entende muito bem que não existe na prefeitura de Cuiabá, aliás, o senhor é craque em servidores fantasmas. Está caindo a máscara do senhor Abílio Brunini, está todo mundo já sabendo, tem muito mais coisa aí que está acontecendo e está aparecendo para desmascarar essa figura de falso puritano que tentou, de toda forma, me corromper”.
 
As afirmações de Emanuel prosseguiam: “Isso sim o senhor tentou, para indicar cargos apadrinhados dos seus sócios do escritório de arquitetura que eu não aceitei. Eu não aceitei e não aceito. Olha seu gabinete, o senhor tem um gabinete de setenta metros quadrados com dezoito servidores que dizem que a maioria fantasma, o senhor não abre mão de nenhum centavo da sua verba indenizatória, paga uma de bom moço e dizer que vai enxugar a máquina, o senhor não enxugou seu gabinete parlamentar. O senhor vai ser desmascarado, isso é combater a corrupção”.  
 
Ao conceder liminar, determinando suspensão da propagando, o juiz salientou que não existem provas sobre as acusações. Segundo decisão de Fidelis, não há, até o presente momento, qualquer indicativo de que Abílio tenha respondido processo criminal ou que Emanuel tenha formalizado, perante as autoridades competentes, a informação para investigação.
 
Ao conceder liminar, a Justiça estabeleceu multa de R$ 30 mil em caso de descumprimento.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet