Olhar Jurídico

Quinta-feira, 06 de maio de 2021

Notícias / Civil

Justiça Federal

Mato Grosso afirma que ação da prefeitura contra troca do VLT perdeu o objeto após consultas

Da Redação - Arthur Santos da Silva

16 Abr 2021 - 09:17

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Mato Grosso afirma que ação da prefeitura contra troca do VLT perdeu o objeto após consultas
O Estado de Mato Grosso se manifestou na Justiça Federal argumentando que ação proposta pelo Município de Cuiabá que busca pela suspensão da alteração do modal de transporte público coletivo intermunicipal na Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá, de Veículo Leve Sobre Trilhos (VLR) para Bus Rapid Transit (BRT), perdeu o objeto. 

Leia também 
Subprocurador pede que novo recurso de Jarbas para trancar Grampolândia seja negado

 
Ao propor a ação, a prefeitura afirmou que a mudança do modal ocorreu de forma unilateral, sem qualquer espécie de participação da sociedade e dos municípios por onde o meio de transporte vai ser implantado, Cuiabá e Várzea Grande. Ainda segundo a prefeitura, tampouco os estudos técnicos, que teriam embasado tal decisão, contaram com a participação dos municípios em sua elaboração.
 
Cuiabá invocou a violação a inúmeros dispositivos, muitos dos quais, segundo o Estado, não têm qualquer relação com o caso, ou ainda sem qualquer grau de pertinência técnica.
 
Liminar da Justiça Federal serviu apenas para determinar ao Estado de Mato Grosso que adote medidas para possibilitar a realização de debates, consultas e audiências públicas, inclusive, com a participação do Conselho Deliberativo Metropolitano da Região do Vale do Rio Cuiabá.
 
Segundo Mato Grosso, a liminar não só está sendo cumprida, como também optou-se por voluntariamente executar todas as etapas necessárias à ampla participação da população e dos órgãos interessados.
 
“Assim, constata-se que a presente ação perdeu o objeto, tendo em vista o esgotamento da controvérsia”, afirma MT.
 
Finalizando a manifestação, Mato Grosso argumenta no sentido de que, não sendo acolhido o argumento da perda do objeto, “faz-se necessário reconhecer a improcedência das alegações do autor”.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet