Olhar Jurídico

Segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Notícias / Ambiental

ponto de abastecimento

Ministério Público aciona Verde Transportes, de empresário foragido, por infração ambiental

Da Redação - Arthur Santos da Silva

13 Jul 2021 - 16:01

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Ministério Público aciona Verde Transportes, de empresário foragido, por infração ambiental
A 1ª Promotoria de Justiça Cível de Alta Floresta (a 803km de Cuiabá) ajuizou ação civil pública ambiental contra a Viação Eldorado Ltda (Verde Transportes), requerendo liminarmente a suspensão das atividades de ponto de abastecimento, lavador de veículos e oficina mecânica, realizadas sem licença de operação. A Verde é propriedade do empresário Eder Augusto Pinheiro, foragido desde a Operação Rota Final. 

Leia também 
PGJ não ingressará com ADI, mas considera lei que isenta energia solar como inócua


O Ministério Público de Mato Grosso pede o embargo dessas práticas, de modo a cessar os danos ambientais causados, até que a empresa possua as licenças necessárias ou processo regular de licenciamento ambiental junto ao órgão competente. 

No julgamento do mérito, o MPMT requer a condenação da empresa ao pagamento de indenização pelo dano ambiental moral difuso, em razão dos danos causados ao meio ambiente e, consequentemente, à sociedade. O valor deve ser arbitrado pelo juízo e depositado em favor de entidade indicada pelo órgão ministerial e cadastrada no Banco de Projetos e Entidades (Bapre). 

Ao tomar conhecimento da infração ambiental, a 1ª Promotoria de Justiça Cível de Alta Floresta oficiou à Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) para confirmar se a  Verde Transportes possuía licenciamento para as outras atividades desenvolvidas, o que havia sido acordado em Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). Em reposta, o órgão ambiental informou que o processo de licenciamento ambiental foi indeferido, devido à inércia da requerida em atender as solicitações nos prazos concedidos.

“Nada resta senão o ajuizamento da presente ação civil pública, cabendo ao Poder Judiciário a relevantíssima função de assegurar o exercício dos direitos constitucionais pelos cidadãos de Alta Floresta-MT, desta e das próximas gerações, até porque a tentativa de solução extrajudicial restou infrutífera”, argumentou o promotor de Justiça Luciano Martins da Silva.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet